sexta-feira, fevereiro 19, 2010

SIMONE DE OLIVEIRA - "Crucificada"

VÍDEO DE HOMENAGEM

video


Esta "Simone mulher, guitarra" teria que ser aqui recordada... que mais não fosse, pelo muito que Simone de Oliveira representa no panorama artístico português; mas, para além disso, pelo paradigma de profissionalismo e entrega que constitui. Melhor explicando, esta incursão no Fado foi, por certo, cuidadosamente pensada, com enorme respeito pelo acompanhamento e música tradicionais, tendo como poeta de eleição Ary dos Santos e a escolha de outros poetas maiores representativos das Letras Portuguesas, como Camões, Pessoa, Torga e Florbela Espanca, autora deste soneto que Simone interpreta, com toda a sua intensidade dramática, na música de Renato Varela. Dois dos seus acompanhantes, o consagrado Martinho da Assunção e seu neto Vital da Assunção, assinam parte dos temas musicais, ao lado das autorias de A. Marceneiro, Georgino de Sousa, Renato Varela e Pedro Rodrigues. Na Guitarra e no Baixo, respectivamente Arménio de Melo e Correia Martins. Um disco de Fado a que apenas falta, perdoem-me a sinceridade, estar igualmente representado um Poeta de Fado, diria, um Linhares, um Conde, Rego, Britinho... Raínho, José Luís Gordo... e tantos outros, mas, pronto!, como sói dizer-se "o óptimo é inimigo do bom" e nem sempre o óptimo é a melhor das companhias... olha que graça! E, já agora, quero terminar assim:

Que numa mulher se concentre tal beleza, talento e raça, é mesmo pecado, não é?!...

http://www.macua.org/biografias/simonedeoliveira.html

6 comentários:

Anton Garcia-Fernandez disse...

Amiga Ofélia:

Mais um excelente vídeo e uma canção maravilhosa da Simone de Oliveira. Enquanto ouvia este fado estive a pensar em duas coisas:

(1) O profundo respeito que quase todos os cançonetistas tiveram pelo fado: não só a Simone, mas também, por exemplo, o Tony de Matos ou o Vasco Rafael, entre muitos outros.

(2) Que é possível tornar um poema que não é fadista num fado que mantenha o som típico do fado, como a Simone faz aqui com uma composição escrita pela Florbela Espanca, que não era letrista de fado, senão uma das escritoras portuguesas mais importantes do século XX.

Beijinhos desde Memphis meus e da Erin,

Antón.

Anónimo disse...

Bravo! Bravo!MLeiria
Fiquei arrepiada ao ouvir este poema , pungente de dor por mal de amor, por quem, não podia, não devia, amar aquele...
E, não sendo um fado tradicional,Simone soube bem como cantá-lo, emprestando-lhe todo o dramatismo da sua voz!
A propósito,ou não, moro perto da rua Tenente Espanca....
Vou já

Fadista disse...

Viva, Antón
Muito verdade o que diz relativamente aos nossos cançonetistas e de que já aqui igualmente deixei exemplo, do António Calvário e do Paulo de Carvalho...
De facto, ser fadista é uma questão de sentimento, de atitude, muito visceral, eu diria... Este soneto de F. Espanca, seguindo embora o figurino clássico, no que à forma respeita, não podia ser mais dramático no que toca ao problema do pecado, da imposição da negação do objecto do seu amor..., uma temática que tão bem casa com o Fado. Contudo, em abono da verdade se dirá que, mesmo assim, é diferente dos poemas que se fazem para fado, com métrica e música ajustadas... é um pouco como aquela questão de vestir no pronto-a-vestir ou no alfaiate... a verdadeira "poesia de fado", as "letras", é muito específica e é lamentável que se esteja a perder essa Escola que teve tão grandes Mestres, mas isto são conversas para outros "papéis", que não se aviam assim em pouco tempo e espaço...
Beijinhos para si e para a Erin,
O.

Fadista disse...

Perto da R. Tenente Espanca?!... Não estou a ver quem seja... mas logo me lembrarei, ou não...
Às vezes até penso que os amores proíbidos existem com o objectivo de fomentar a criação artística! As Letras, deles estão repletas... Florbela Espanca é disso exemplo...um amor proibido sublimado através da escrita, a catarse dos sentimentos que inexplicavelmente dominam quem, por vezes,nem os aceita!...
Simone é uma cantora visceral; entrega-se! nem precisa ter voz...

valeria mendez disse...

eu tenho este disco.Dele retirei o DEMOS AS MÃOS de Ary dos Santos e Martinho de Assunção, e adoptei-o para o meu reportorio fixo.Já o cantei acompanhada pelo grande Martinho de Assunção! Que honra! Quanto à Simone,gosto da sua interpretação e da sua voz grave,cálida e também muito fadista,não há duvida.

MLeiria disse...

Também gosto muito do "Demos as mãos". Tem a gravação da sua interpretação? É que se tivesse... iria abusar outra vez e pedir-lhe uma cópia.
Bjinho
O.