terça-feira, julho 29, 2008

ADELINA RAMOS - "Não passes com ela à minha rua"

Só hoje tive conhecimento do falecimento, no passado dia 26, de Adelina Ramos, aos 92 anos, intérprete maior deste fado, inicialmente intitulado "Foste meu", com música de Casimiro Ramos e letra de Carlos Conde, que o escreveu para o repertório de Maria da Saudade.

*
Gostaria de ter sabido a tempo e, como eu, provavelmente muito mais pessoas que conheceram a fadista e lhe teriam querido prestar a última homenagem; mas, mais uma vez, a informação falhou, não chegando, em devido tempo, onde devia, ou, tendo chegado, não foi dada a importância devida...

*
Agradeço à APAF a informação que divulgou, tão logo teve conhecimento do facto, assim permitindo que, embora tardiamente, eu possa ainda prestar esta minha sentida homenagem a Adelina Ramos, que tantas vezes ouvi n' "A Tipóia", em boa companhia...



Um beijo de despedida

VÍDEO DE HOMENAGEM
video

Para saber mais, aceda às páginas

http://fadocravo.blogspot.com/2006/10/recordar-berta-cardoso.html#comments

http://www.fotolog.com/parquemayer1/45832993

http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/

http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=972915

domingo, julho 27, 2008

CARLOS ZEL - "Mestre João Núncio"


Com letra de Mª Manuel Cid, Carlos Zel canta, no Fado Mouraria, este "Mestre João Núncio", uma homenagem a essa figura maior do toureio a cavalo, que ficou conhecido como "O Califa de Alcácer", alcunha que lhe foi dada pelo cronista e aficionado D. Bernardo da Costa.
João Núncio, um português que faz parte da história de Portugal, pela sua arte, o seu trabalho e os seus valores morais.

Carlos Zel presta homenagem a Mestre João Núncio e eu, com este vídeo, presto a minha modesta homenagem a estes dois portugueses que muito admiro, não só pelo incontestável valor artístico de cada um, mas principalmente pela coragem, comum a ambos.
VÍDEO DE HOMENAGEM
video

Em Novembro de 1976, no primeiro número da revista “A Semana”, de Miguel de Araújo, surgiu uma comovente despedida a João Branco Núncio, na hora do seu desaparecimento. Foi escrita por Mascarenhas Barreto, multifacetado autor, muito mais conhecido pelas suas incursões na História (o “Colombo Português”) do que pela sua vertente de aficionado. Aqui fica essa vibrante homenagem a Mestre João Branco Núncio (a ele que nunca gostou que lhe chamassem mestre...), o maior vulto da tauromaquia portuguesa, nobre figura de alentejano, cavaleiro e lavrador.

UM HOMEM: João Branco Núncio Que outra figura poderia escolher para breve antecâmara de crónicas taurinas? Raros homens, neste século de galopante putrefacção do carácter, reuniram, como ele, tão altas virtudes de português autêntico: o amor à terra, a coragem moral e física, a generosidade discreta - quase humilde - o sacrifício abnegado nas mais cruéis circunstâncias. Vejo-o fechando na mão tisnada um punhado de torrão seco, enquanto os olhos perscrutavam um céu desesperadamente nu de ansiada chuva. Na luta contra a terra, conquistara honradamente os frutos que generosos só são quando por eles se sangra um trabalho tenaz, constante. Vejo-o fechando na mão tisnada o ferro com que, nas arenas ardentes de sol e emoção, desafiava o toiro, na mais nobre e tradicional festa popular portuguesa. Na luta contra a fera, soubera grangear o mais alto troféu de um toireiro: a admiração, o amor do povo que, ali, com ele se irmanava na valentia instintiva, no gosto por essa arte cinética secular. Vejo-o, enfim, fechando na mão tisnada as rédeas amargas, quando vilmente espoliado da enxada que sempre trouxera na carne para desbravar a terra, empunhava agora a única que lhe restava - na alma: a do toireio equestre. A este trouxera a inovação, o sentido simplista de síntese e medidas, e uma grandeza inolvidável. Não só como Centauro se oferecera aos toiros. De igual, lidava-os a pé, de capote e muleta; corria-os em campo aberto, na euforia do derrube, no apadrinhamento da apartação dos bezerros - a mesma euforia e também o mesmo anseio criador com que sofria o despontar e o envigorar das searas, dos arrozais, da vida que só a terra dá e o homem rouba... Com Núncio passou o toireio equestre a definir-se por axiomas diferentes, magistrais. Poder-se-à dizer que se tornou fronteira de estilos na lide montada: antes de Núncio; depois de Núncio. Contudo, na sua modéstia natural parecia não se aperceber de que criara uma nova era tauromáquica que seus contemporâneos seguiriam: os cânones nuncistas. Como Juan Belmonte, para o toireio a pé, João Núncio foi expoente máximo para o toireio a cavalo. Em crónica futura se falará desta Arte. Nasceu João Alves Branco Núncio a 15 de Fevereiro de 1901, na Herdade de Parchanas, de São Romão, para onde seu avô, Joaquim Mendes Núncio, lavrador da Golegã, se trasladara, em 1878. Aí, em Alcácer do Sal, cingiu esporas. Aos 13 anos, a 23 de Agosto de 1914, toireou pela primeira vez em público, num cavalo - Teodoro - que fora de Manuel Casimiro, quando a glória da "Festa Brava" equestre se disputava entre este cavaleiro e o Morgado de Covas. Depois, alternando com seu pai, Inácio Augusto Murteira, surgiu na Praça de Évora, a 20 de Setembro desse mesmo ano, "não apenas como um caso de precocidade, mas também, e principalmente, como deslumbrante revelação artística" - aplaudiu a crítica: era a sua segunda corrida. Finalmente, veio a hora da regra tradicional: na tarde de 27 de Maio de 1923, António Luís Lopes concedeu-lhe a alternativa, na Praça do Campo Pequeno. Ele próprio a concederia, mais tarde, a onze cavaleiros tauromáquicos: Dr. Fernando de Andrade Salgueiro e Dom Vasco Jardim (1938), Francisco Murteira Correia (1943), Eng.° José Rosa Rodrigues (1944), Dom Francisco de Mascarenhas (1945), Francisco Sepúlveda (1952), Gastón dos Santos (1954), seu filho, Eng.° José Barahona Núncio (1962), Eng.° José Samuel Lupi e Alfredo Conde (1963), Frederico Cunha (1968) e José João Zoio (1972). Em Espanha, onde múltiplas vezes ergueu as praças de entusiasmo e admiração, foi o primeiro cavaleiro português a matar toiros, a cavalo, a estoque. Em Portugal, consagrou-o o povo como sendo "o maior". Era-o, de facto: o maior vulto da história do toireio a cavalo em todo o mundo. Depois, não mais parou de empolgar as arenas, senão quando o acidente da queda de um cavalo aniquilou seu filho e o desgostou para sempre de honrarias, ovações. Contudo, aos 75 anos - salvados três cavalos do assalto infame da negra saga de ocupações predatórias - não lhe faltou coragem para enfrentar, de novo, a vida nos redondéis. Por fim, na Golegã, quando serenamente preparava um dos corcéis, veio a enfrentar a morte - derradeiramente. Estava a cavalo, enforquilhado na sua sela-charrua; pés bem firmes nos estribos da honradez, da dignidade. Pelos olhos nublados, entre terra e céu, ter-lhe-iam desfilado, nos cenários edénicos verde-azuis das lezírias e calmosos verde-pardos das charnecas, essas montadas fiéis em que se prolongara a sua imagem cavaleira: Relâmpago, Santander, Pregonero, Alpompé, Lidador, Numerário, Quo Vadis, Pincelim, Sultão, Gaio, Malhinha, Marialva, Temporal, Gaiato, Ribatejo, Glorioso, Garoto e tantos outros, crinas ao vento, alados como pégasos. Também os toiros, não como adversários de violência animal, mas como nobres lutadores leais (que não os homens semeadores de ódio) e sobretudo aquele inesquecível Trompeta que foi base da sua ganadaria de sangue Urquijo. Inscreveu-se Núncio ao centro de um triângulo: Toiro, Cavalo, Terra. Triângulo iluminado de amor, quase signo da Pátria que ele visceralmente vivia. Nunca a traiu. Quem da vida faz altar de trabalho e esperança não pode - não sabe trair. À terra desceu, entre o amor dos homens - não da escassa escumalha arrebanhada por traidores rapaces, mas do povo-Povo, em cujas veias corre sangue puro, como os ares lavados das manhãs campestres: seiva da própria terra. Morto para a Pátria - com a Pátria -, outro triângulo mais alto o ilumina: o signo de Deus.
Mascarenhas Barreto

Ao lembrar João Branco Núncio, necessário se torna lembrar também os seus belíssimos cavalos-toureiros, "essas montadas fiéis em que se prolongara a sua imagem cavaleira", como se refere no texto acima transcrito, de Mascarenhas Barreto.

Aqui vos deixo esta pérola, retirada do Século Ilustrado de 13 de Fevereiro de 1943, que encontrei aqui http://revistaantigaportuguesa.blogspot.com/ (um blog de referência), uma "entrevista" ao famoso cavalo ALPOMPÉ.





































sexta-feira, julho 25, 2008

FERNANDA BAPTISTA - "Fado do toureiro"


Fernanda Baptista (1920-2008) foi essencialmente uma fadista do teatro, dona de uma voz potente que, tal como Berta Cardoso, se fazia ouvir nas salas de espectáculo, sem microfone, nos lugares mais distantes do palco. Este fado musicado, da autoria de Amadeu do Vale e de Raul Ferrão, é a homenagem possível que aqui lhe presto, após ter tido conhecimento da sua morte, hoje.
Para saber mais http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/

VÍDEO DE HOMENAGEM

video

quinta-feira, julho 24, 2008

Mª AMÉLIA PROENÇA - "Campinos"















"Maria Amélia Proença continua hoje senhora de um timbre de voz único autenticamente lisboeta e fadista, senhora de uma apurada interpretação! A sua vida é uma história do fado." N.L. (jornalista)


"Esta sim é a fadista mais antiga no activo e em pleno! Continua com magnífica voz e excelente dicção, timbre fadista e genuíno!" Anónimo


Estes são dois dos comentários que mereceu o post que há cerca de um ano fiz sobre esta fadista que muito prezo. Mais uma vez agradeço aos que comentam o meu trabalho e que, desse modo, me ajudam a informar, a melhorar e corrigir e que desempenham o importante papel de interlocutor, participante neste trabalho que é feito em prol do Fado e de todos que, como eu, admiram e amam este tão genuíno e singular modo de ser português do/no Mundo.


Hoje, na sua voz tão característica, vamos ouvir Mª Amélia Proença no fado "Campinos", autoria de Clemente Pereira e Baptista Lourenço, uma homenagem a esses homens valentes das lezírias e ao mundo rural que, noutros tempos, a canção urbana não esquecia...
VÍDEO DE HOMENAGEM

video

domingo, julho 20, 2008

GABINO FERREIRA - "Alfama"
















Henrique Perry escreveu a letra e J. Campos musicou este fado "Alfama" que pode escutar aí

VÍDEO DE HOMENAGEM
video
Acerca deste fadista, recomendo a leitura deste artigo, por Antón García-Fernández

sábado, julho 19, 2008

COM'PAÇO











Sob um sol escaldante, em pleno Terreiro do Paço, onde as sombras não abundam, 4 estóicas Bandas - a do Ateneu Artístico Vilafranquense, a dos Empregados da Carris, a da Sociedade Filarmónica União e Capricho Olivalense e a da Aculma-Marvila -, tocavam, estorricando...




... sem espaço próprio, com'gente por todos os lados...

Seguidamente, os Concertos realizaram-se em local coberto para as Bandas, mas o público, coitado, é que teria que estar sentado ao sol... mas não esteve... as cadeiras estavam vazias, excepto as que recebiam alguma sombra de uns chapéus plantados em linha...



Esta ideia do Festival de Bandas de Lisboa é óptima, mas a organização, meu Deus!



Com este calor, porque não aproveitar o coreto do Jardim da Estrela e a sombra aprazível das suas árvores centenárias?




















Aqui fica a sugestão, caros organizadores!

ILDA SILVA - "Quem diz"

Natural de Lisboa, Ilda Silva estreou-se como cantadeira profissional no Café Mondêgo, em 1 de Março de 1936.
Cantou em vários cinemas e teatros, em festas de beneficência e em casas fidalgas e também nos afamados Retiro da Severa, Solar da Alegria e Café Luso, entre outros.
Fonte: "Ídolos do Fado", 1937, A. Victor Machado
*
Este fado, com que aqui a lembramos, tem letra de Carlos Conde e música de Pedro Rodrigues.
* *
"Quem diz que o fado se aprende
Não conhece, não entende
suas doces melopeias.
O fado, para ser fado,
deve correr misturado
no sangue das nossas veias.
/
Quem diz que o génio fadista
Só com palmas se conquista
Deve sofrer de ilusão
Fadista não é quem canta
É quem filtra na garganta
O que sente o coração
/
Quem diz que o Fado não é
Uma cadência de Fé
Duma toada imortal
Não conhece, com certeza,
A canção mais portuguesa
Das canções de Portugal
/
No Fado, p'ra se vencer
Não basta apenas fazer
O amparo de gente amiga
O que é preciso é ter garra
Abraçar uma guitarra
E cantar uma cantiga"
VÍDEO DE HOMENAGEM

video

domingo, julho 13, 2008

JÚLIO PERES - "Velho faroleiro"

Este fado, criação de Júlio Peres (1909-1995), tem letra de João de Freitas e música de Alfredo Duarte. Para saber mais sobre este fadista da "velha guarda" vá aqui http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/...

VÍDEO DE HOMENAGEM
video

sábado, julho 12, 2008

CELESTE RODRIGUES - "As ruas"


"Nasci fadista e sempre serei fadista", diz Celeste Rodrigues; o que se disser para além disto, pouco importa; importante mesmo é ouvir esta voz que é Fado! Letra de Castelo B. Mota e música de José M. Nóbrega.
VÍDEO DE HOMENAGEM

video

Para saber mais acerca de Celeste Rodrigues, vá a http://www.celesterodrigues.pt/
Em inglês, o artigo de Antón Garcia-Fernandez

domingo, julho 06, 2008

FERNANDO MAURÍCIO - "Na Mouraria"






















Fernando Maurício (1933-2003), nascido na R. do Capelão, no coração da Mouraria, um bairro de grandes tradições fadistas, dono de uma voz inconfundível, é um marco na História do Fado.

Acerca dele, Victor Reis, do blog http://ideotario.blogspot.com/
escreveu este belíssimo texto que transcrevo:

"Quarta-feira, Julho 16, 2003
o último fado de Fernando Maurício
Nas minhas andanças pelo mundo, no tempo que passa sem sentirmos, deixei-me vadiar pelas casas de fado, especialmente aquelas onde se cantava o fado amador e espontâneo, em ambiente simultaneamente rasca e fidalgo, numa perfeita comunhão do querer e do sentir. Na chamada “Linha”: Cascais, Birre, Alcabideche frequentei com alguma assiduidade O Tabuinhas, O Arreda, O Estribo e O Estribinho e pela Madragoa, em Lisboa, o Timpanas, a Cesária e o Solar da Madragoa, onde se ouvia o fado vadio até à exaustão e onde pontuavam figuras que pela sua forma de vida e pelo casticismo do seu cantar se transformaram em ícones de um imaginário fadista e da fadistagem. Alto, elegante, com um carismático bigode foi envelhecendo neste caminho, foram-lhe despontando cãs que lhe davam mais encanto e encantando-nos com sua voz, especialmente com o fadistar de “A Igreja de Santo Estevão”. Voz profunda, olhar penetrante não demos importância ao tempo que ia passando. Sempre pronto a partilhar a sua arte muito gostava de sair “fora de portas”, atravessar o rio e de Cacilhas, já não de burro que isso teria sido nos finais do século XIX, vir para junto do mar, e onde o fado fosse batido, num improvisado tasco de um parque de campismo ou na nobreza do Convento dos Capuchos, cantar o fado. Mas os contadores do tempo não param, mesmo quando estamos menos atentos e não sentimos a areia da ampulheta a esgotar. Fernando Maurício foi tudo isso. A fadistagem está mais pobre. Enriquecidos estarão sempre os que tiveram o privilégio de o conhecer e de o ouvir."

"Na Mouraria", do repertório de Natália dos Anjos, com letra de Gabriel de Oliveira e música de J. Pereira, é o fado que Fernando Maurício interpreta neste

VÍDEO DE HOMENAGEM

video

sábado, julho 05, 2008

Mª DO CARMO TORRES - "Mª da Graça"

Das poucas gravações que nos chegaram de Mª do Carmo Torres, que faleceu na década de (19)50, escolhi este fado "Mª da Graça", com uma letra bastante curiosa...

"Maria da Graça é uma
cachopa de olhos em brasa
vive sozinha, não fuma,
mas tem cinzeiros em casa..."

VÍDEO DE HOMENAGEM

video