quinta-feira, junho 30, 2011

TINA SANTOS - "Foi tudo amor"




Uma bem conhecida e genuína fadista que há já alguns anos faz parte do elenco da "Parreirinha de Alfama", Tina Santos, num fado da autoria de Alice Maria e de Armandinho - "Foi tudo amor", acompanhada pelas guitarras de Jorge Fontes e de António Chainho, pela viola de José Mª Nóbrega e pela viola-baixo de Raul Silva.

quarta-feira, junho 29, 2011

AMÉRICO SILVA - "Canta-me um fado"



Américo Silva interpreta um fado da autoria de Jair Amorim e de Evaldo Gouveia - "Canta-me um Fado" - acompanhado à guitarra por Manuel dos Santos e José Alves e à viola por Fernando Coelho e Alexandre Santos.

segunda-feira, junho 20, 2011

"Fado à Bulhão Pato"


Ilust.


Um curioso artigo de Mercedes Blasco que, no "Makavenkos", cantou o Fado, a pedido do homenageado dessa noite - o poeta Bulhão Pato, o último romântico.

sexta-feira, junho 17, 2011

"Maria da Conceição" - JOÃO CASANOVA


Ilust.1934


Aqui está a letra do fado que o João Casanova gravou com o título de "Aquela Maria" e interpreta numa música de Frei Hermano da Câmara, com direito à fotografia da poetisa e tudo... p'ra que se não diga... É certo que não tem sido preocupação minha divulgar sistematicamente as letras dos fados que edito e isto por duas razões fundamentais, a primeira das quais é a de que já há outros bloguistas a dedicarem-se a isso, de entre os quais quero realçar o incansável J.F.Castro, do Fados do Fado, a quem daqui saúdo, e a segunda, mas não menos importante razão, fica para vos confessar mais tarde... De resto, li por aí que a equipe do Portal do Fado vai também dedicar-se a essa "ciclópica tarefa", pelo que já aqui fica o meu bem haja, mas, já agora, um desejo, o de que, sempre que possível, seja indicada a fonte documental, por este, aquele e aqueloutro motivo de que aqui fica bom exemplo... Sem mais, vamos ao Fado





segunda-feira, junho 13, 2011

PARABÉNS, Alto do Pina!


Isto era assim em 1904



Agora, em 2011, ano em que o tema das Marchas foi o Fado,


e em que ganhou a Marcha do Alto do Pina, que teve como madrinha a fadista Filipa Cardoso e como padrinho o actor Joaquim BonChic, perdão, Monchique

até eu estou de Parabéns, coisa rara!... Porque tenho um especial carinho por esse Bairro a que está ligada parte importante da minha vida profissional, bem como pela Filipa, que conheço de quando ela era ainda aluna da Escola das Olaias, e mesmo pelo Monchique, que nem conheço pessoalmente, mas que é um dos meus actores preferidos.
Portanto, atrever-me-ía eu a alvitrar: Escolha acertada!

sexta-feira, junho 10, 2011

"Deixem passar Portugal!"

Em 1927, quando o duo "Guitarra de Portugal", constituído pelo insigne violista João da Mata Gonçalves e pelo distinto guitarrista Armando Augusto Freire, fez, no Politeama, a sua festa de despedida, antes de iniciarem a tournée para divulgação do Fado por terras estrangeiras, foram lidas estas quadras que o consagrado poeta Silva Tavares escreveu

Deixem passar Portugal!...
O seu melhor atestado
Vai nessas almas de ideal
Gemendo e chorando o Fado...

Ninguém lhes tome a passagem
E hão-de vencer afinal...
São espelhos da nossa imagem,
Deixem passar Portugal!


Portugal, que deu mundos ao mundo, deu também essa melhor parte da diáspora lusitana, a Língua e a música que dizem o sentir do Fado e melhor revelam a nossa identidade -

Esta canção que se fez
P'ra o coração português
Achou sempre o mundo estreito,
Canta-a com a guitarra ao peito,
Todos te dirão quem és.


Assim diz o poeta no fado "Lés a lés" que já aqui foi recordado, na superior interpretação de Berta Cardoso, acompanhada pela guitarra de Armandinho e pela viola de Georgino.


Hoje, como então prometera, trago-vos esse mesmo fado, na notável interpretação de Fernando Maurício.



sábado, junho 04, 2011

"A FORMIDÁVEL ALMA POPULAR"


"...Mas então isto é a apologia e o elogio da facada e da miséria, da rufiagem e do vício, da rotina e da imundície, perguntará o leitor? Não, não é. É apenas o elogio da cor, que subverte o anátema à miséria social; a apologia do caracter forte do gentio miudo que mantem o pitoresco e o sabor, que não há na gente moderna nem nas Avenidas Novas, e que só existe e perdura, arreigado como a própria fatalidade nisso a que o grande Cesário Verde chamava: «a formidável alma popular»" Matos Sequeira (para ler aqui)



("Meu Bairro Alto" - Intérprete: Ana Rosmaninho; Autores: Carlos Rocha e Frederico de Brito)

sexta-feira, junho 03, 2011

OS ROUXINOIS DO MONDEGO...


Dom. Ilust.

... e do Tejo, diria eu, "tem cotação na bolsa. Atravessamos um período em que as acções do fado estão cotadas na alta." Valha-nos isso, co'a breca! Ao menos que as do Fado, seja de Coimbra ou de Lisboa, continuem a valorizar... Amen.