quarta-feira, dezembro 24, 2014

NATAL PORTUGUÊS



Com este "Natal Português", de Fernando Farinha e Manuel Mendes, a todos desejo um Santo Natal.

segunda-feira, dezembro 08, 2014

Senhora da Conceição




"...
O dia 8 de dezembro transcende o "Dia Santo" dos Católicos e engloba indubitavelmente a comemoração da Independência de Portugal, que o dia 1 de dezembro retoma. O feriado do dia 8 de dezembro é religioso, mas é também celebrativo da cultura, da tradição e da espiritualidade da alma e da identidade do povo português.
..."

domingo, novembro 23, 2014

JOSÉ COELHO - "Pecados quem os não tem"

VÍDEO DE HOMENAGEM


Da autoria de Américo M. dos Santos e de Pedro Rodrigues, este fado que foi criação e um dos êxitos de José Coelho, cujo centenário do nascimento aqui se assinala.

José Coelho, criador de êxitos como “Eu gosto daquela feia”, “Pecados quem os não tem”, “Sexta-feira da Paixão”, “Alerta!”, “As minhas Penas” e “Passei ontem em Alcobaça”, nasceu há cem anos no bairro de Campo de Ourique, em Lisboa, precisamente no dia 23 de novembro de 1914.

O fadista participou em vários programas radiofónicos, nomeadamente da Rádio Graça, Peninsular e Clube de Lisboa e fez parte dos elencos de diversas casas de fado, entre elas, o Café Latino, Café Mondego, Os Marialvas do Fado, Casablanca, Retiro da Severa e Café Luso.

Em julho de 1943 foi detido, em Lisboa, pela polícia política, e nesse mesmo ano transferido para a prisão de Caxias (nos arredores de Lisboa), de onde saiu em abril do ano seguinte (cf: Processo PIDE n.º 906/43). Em agosto de 1949 deixou Lisboa para se radicar em Benguela, no sul de Angola, onde organizou várias noites de fado e recebia colegas, entre eles, Amália Rodrigues, Fernando Farinha, Tristão da Silva, Frutuoso França, Maria Pereira e Quinita Gomes, entre outros,  sempre que estes passavam por aquela cidade.

Por se ter afastado gravou apenas dois discos, um EP para a CBS com os fados “Gosto daquela feia”, “É tão triste não te ver”, “Lábios carminados” e “Quadras soltas”,  e em 1986 participou num LP com outros nomes da sua geração - Frutuoso França, Júlio Vieitas, Manuel Calixto, Gabino Ferreira e Júlio Peres - intitulado “O Fado da Velha Guarda” (Riso&Ritmo).

O fadista retomou esparsamente a carreira, em meados da década de 1960, e com maior assiduidade a partir de 1976, tendo então dirigido artisticamente o Solar da Madragoa, com um cartaz, que entre outros nomes, contava com os de Ilda Silva, Julieta Reis e Miguel Silva. O fadista já atuara anteriormente neste espaço, actualmente com outra actividade, na rua das Trinas, em Lisboa.

José Coelho faleceu, aos 77 anos, em Lisboa, a 09 de Janeiro de 1992.

Texto: N.C. Lopes  com Ana Catarina Mendes

(verbete recuperado e reeditado)

terça-feira, outubro 21, 2014

Memórias do Fado

D.L. 21.10.55



Tempos antigos, tempos passados!

Tempos de ir beber um 


e passar



ouvindo algumas das vozes que por lá passaram








e também as que se fizeram ouvir no mesmo espaço, rebaptizado O Poeta





Tempos da memória,
Memórias do FADO,
que tem muito que contar!...

quarta-feira, outubro 08, 2014

MANUEL NETTO - "A cor dos olhos"




Manuel Netto, "o poder de expressão duma voz inimitável", interpreta, de José Netto e de José Antº Sabrosa, "A cor dos olhos", acompanhado por Raul Nery e António Chaínho (guitarras), José Maria Nóbrega (viola-baixo) e Joaquim do Vale (viola).
Para quem gosta de Fado!

terça-feira, setembro 23, 2014

"RONDA DOS BAIRROS" - "SENHORA DA SAÚDE"

G.C.F.54

Esta propaganda dos Bairros de Lisboa recordou-me um fado, precisamente também intitulado "Ronda dos Bairros", que apenas conheço gravado pela Mª de Lourdes Machado e tem como autores Francisco dos Santos e Fernando Freitas.



Também de Francisco dos Santos, mas com letra diferente e música de Alfredo Duarte, interpreta Lucília do Carmo o fado "Senhora da Saúde",



fado que Tony de Matos gravou com o título de "Ronda dos Bairros"...


Estes são alguns dos  Fados Alexandrinos

sexta-feira, setembro 12, 2014

sexta-feira, agosto 29, 2014

De Plágios e Cochichos...

Encontrei há dias, no youtube, esta interessante gravação de um fado, da autoria de Domingos Costa, interpretado e provavelmente criado pela Hermínia Silva, apresentado pelo editor do vídeo com o título "Hermínia Silva Plagio", 



Este fado conhecia-o eu interpretado e gravado pela fadista Maria José Ramos, no Mouraria, atribuindo-se a letra a J. Linhares Barbosa, com o título "Amo um fadista a meu geito" e que editei aqui.

Para além da diferença das autorias, em que tão frequentemente se tropeça, que já nem causa espanto, mais intrigante me parece o título atribuído - Plagio (que talvez seja outra coisa que não plágio ?!...)

(Ah, cá está!...
D.L.1937 )

Plágio, plágio mesmo, parece ter sido o d' "O Cochicho", referido, por ex., num D.L. de 1934

D.L.

que aqui se lembra na versão portuguesa de Irene Coelho


e na da argentina Azucena Maizani



Será que o plágio foi reconhecido e que o plagiado acabou por ser indemnizado?...

Enfim!... Não quero garantir que Daniel Gouveia (investigador, compositor, letrista, editor, fadista) responda a esta questão, mas que este assunto é também abordado no seu notável "Ao Fado tudo se canta?", isso posso eu confirmar.

sexta-feira, agosto 22, 2014

"Brincos p'ra brincar"...

... também gravado como "Brincos de princesa", é um fado da autoria de Linhares Barbosa e de Carvalhinho, de que foi criadora Maria Pereira


que o deu à Mariana Silva, para gravar (no tempo do "Painel do Fado" e dos repertórios!...)



Depois, muitas outras fadistas interpretaram e gravaram este fado, entre elas Julieta Santos, que já tinha aqui lembrado.
A estas, acrescentaria as interpretações de Terezinha Alves, Manuela Cavaco e Yola Dinis, das  disponibilizadas no Youtube,





sábado, julho 19, 2014

CASIMIRO SILVA - "O Português"



No Pedro Rodrigues, Casimiro Silva interpreta "O Português", acompanhado pelo Conjunto de Jorge Fontes

domingo, junho 08, 2014

EMBAIXADA DO FADO

D.L.

Uma Embaixada do Fado, um elenco de oiro, nos (ainda) anos de oiro do Fado - 1946. 
As décadas de 20 a 50 terão sido provavelmente as mais importantes e decisivas para a divulgação do Fado dentro e fora do país...

terça-feira, maio 06, 2014

Mª JOÃO QUADROS - "O meu pecado"



Mais do que a singular voz de Mª João Quadros é "o seu pecado" que nos prende, o seu Fado-verdade. Superiormente acompanhada neste "Fado Dois Tons", com letra de sua autoria.

quarta-feira, abril 23, 2014

JIMMY - "Xaile e lenço" ou "Podes dizer que sou teu"


Embora a qualidade do som não seja das melhores, não queria deixar de lembrar aqui o "categorizado animador" Jimmy, i.e., Jaime de Sousa.   Quem se lembra dele?...
Jimmy interpreta, no Fado Seixal, uma letra de J. Linhares Barbosa - "Xaile e lenço" também gravada com o título "Podes dizer que sou teu".



D.L.49

D.P.56

quinta-feira, abril 17, 2014

"Por uma Adega Maior"


D.L.

Curiosa, esta pública manifestação de amizade, gratidão e consideração, valores que parece andarem tão esquecidos pela maior parte de nós!...
Um exemplo a seguir,
por um Fado Maior!

sexta-feira, abril 04, 2014

UMA CASA... PORTUGUESA

D.L.

Sara Chaves nasceu a 5 de Maio de 1932 em Santo António do Zaire (actual Soyo) e foi baptizada em Luanda na igreja de Nossa Senhora do Cabo. ... (daqui)

foi a criadora d'

O fado português mais Moçambicano... (saiba porquê aqui)

1950
Estreia de «Uma Casa Portuguesa», cujo poema escreve, interpretada pela cançonetista angolana Sara Chaves, num sarau em honra da embaixada do Colégio Militar, de Lisboa, em visita a Moçambique, e que rapidamente se torna num êxito internacional. (daqui)

sexta-feira, fevereiro 14, 2014

Maria la Portuguesa

Dia de São Valentim, dia em que se celebra todos os enamoramentos... Este, por supuesto!
Refiro-me a essa antiga paixão entre Portugal e Espanha, tão particularmente plasmada na mítica "Maria la Portuguesa", do cantautor Carlos Cano, canção que é misto de fado e canto andaluz, homenagem a Amália, ao Fado e ao Amor.

Das imensas versões disponíveis no YouTube, aqui deixo apenas estas, com amorosos votos de um dia enfeitiçado :)

















quinta-feira, fevereiro 06, 2014

ZULMIRA MIRANDA ...


D.L.26

... uma espécie de Adelina Patti do Fado !
Zulmira, mensageira do Fado!

Volto a publicar este verbete, de 13.08.2013, acrescentado desta pérola que encontrei no Youtube

 

sexta-feira, janeiro 31, 2014

"É OU NÃO É?"...

ORIGINAL?!...  Provavelmente não era isso que a Mariza queria dizer..., mas, se era, então aqui fica o desmentido,  que muito bem se demonstra neste vídeo, de António Vilhena, que reproduz a afirmação da fadista e integra a versão original, a de AMÁLIA!


Digam lá se é assim ou não é?
Ai, não, não é!
Ai, não, não é!
Digam lá se é assim ou não é?
Ai, não, não é! 
Pois é!

Pois é! será um dos best of , mas de Amália!...

sexta-feira, janeiro 17, 2014

"Mais um fado... na dúvida"


Este fado, que Flora Pereira aqui interpreta na Marcha do Marceneiro e que ouvi muitas vezes cantar ao vivo, gravou-o ela com o título de "Eternos amantes" e, no registo que tenho, é dada a autoria da letra a J. Linhares Barbosa. Desconheço quem é o/a criador/a deste fado e também quem mais o terá gravado.

Apareceu depois este tema na voz de mais novos fadistas, como é o caso desta interpretação a duo pela Mariza e Camané, no Perseguição de Carlos da Maia, com o título de "Mais um fado no fado", sendo atribuída a autoria da letra a Júlio de Sousa ...
E, claro, este é mais um fado cuja autoria me deixa com dúvidas... Afinal, quem será o autor desta letra? 
O Júlio de Sousa ou o Linhares Barbosa? 

 

Isto é bem verdade- não há uma sem duas, nem duas sem três... e assim é que, do amigo Fernando Batista do Fado em Vinil, recebi a preciosa informação de uma outra versão deste mesmo fado, a nível do título e do autor da letra. Interpretado por Madalena Ferraz, o fado é apresentado com o título "Eu sei" atribuindo-se a autoria da letra a Clemente Pereira. 


No que exclusivamente respeita à letra, repare-se que a que Mariza e Camané interpretam tem algumas várias diferenças do presumível original o que, diga-se em abono da verdade, não é raro verificar-se em fado, pelas razões que todos nós sabemos, acrescidas, neste caso, dada a rara circunstância de uma autoria tripartida :) ... 

quinta-feira, janeiro 09, 2014

"O FADO, canção de vencidos"

D.L.

Entrevista a Luiz Moita, no D.L. de 8 de Janeiro de 1937, acerca do seu livro "O Fado, canção de vencidos" 


com ilustrações de Bernardo Marques



Para Luiz Moita, um europeísta da época, o Fado é "a  canção dos lisboetas menos cultos", a denominada "canção nacional" que "tantos investigadores apontam de origem negróide", é "essa canção urbana reveladora dum ambiente mental estreito e duma ausência penosa de estímulos sadios"... Enfim, para Luís Moita, era fundamental uma "renovação" (ou seria "refundação"???), seja, uma "renovação mental dos portugueses", ideia de que António Arroio terá sido o percursor


Parece que essa "renovação mental" não terá corrido muito bem (ou talvez sim, quem sabe?) e que esta "refundação" não correrá muito melhor (ou talvez, quem diria???...)

- Desculpe!?... Política?!... Claro que estou a falar de Fado!... Agora, se acha que são compartimentos estanques, olhe, refunde-se! (ou como queira, "refade-se"!...)

E tenha um bom ano (que não há nada pior que viver sem esperança ... -Diga?... -Não, não é essa, a outra!...), um fabulástico 2014 encantado de bons Fados!

E não se esqueça que sempre haverá um qualquer Luiz atrás de uma Moita e que, por isso mesmo, é  necessário caminhar com cautela, particularmente quando chove e o piso está escorregadio... :)