sábado, junho 28, 2008

NATÁLIA DOS ANJOS - "Cigarra e formiga"


Natália dos Anjos (1913-1991), fadista e autora de letras de fado, natural de Lisboa, começou a cantar em sociedades de recreio, desde criança. Cantou, também como amadora, no Retiro da Severa, onde ficou contratada logo após a profissionalização, em 1936.
A letra deste fado é, de certo modo, autobiográfica. De facto, durante alguns anos, Natália dos Anjos era vendedeira durante o dia (tinha, com a mãe, um lugar de venda de aves na Praça da Figueira, que era considerado um dos mercados mais elegantes da Europa e que encerrou em 30.06.1949, tendo sido demolido posteriormente) e cantadeira à noite.
"Eu sou cigarra e formiga
pois vivo desta maneira
sou modesta rapariga
de noite boto cantiga
de dia sou vendedeira"
VÍDEO DE HOMENAGEM

video

domingo, junho 22, 2008

FRUTUOSO FRANÇA - "Elogio rural"















Tão pouco se fala deste fadista!...


Vale a pena ler a crónica "Frutuoso França, Lobo Antunes e o meu avô", editada no Afixe
***
É de LisboanoGuiness a seguinte Nota Biográfica:
"Nasceu em Lisboa no bairro de Alcântara) em 1912, tendo começado a cantar o fado muito jovem, nas sociedades de recreio, onde também fez teatro dra­mático. Participou em cegadas, estreando-se numa da autoria de Carlos Conde intitulada «Carnaval da Vida». Cantou nos antigos retiros Perna de Pau e Ferro de Engomar, na Adega Vitória, no Café dos Anjos, no Retiro da Severa, no Solar da Alegria, no Café Mondego, no Café Ginásio e no Café Luso (da Avenida).
Em 1936 iniciou a sua carreira de cantador profissional, no Café Luso (da Avenida) e também quando este foi transferido para a Travessa da Queimada, onde ainda hoje existe.
Participou nas revistas "Iscas Com Elas" e "Dança da Luta" (1938) levadas à cena no Teatro Apolo, conquis­tando o público com o seu estilo castiço e com as letras dos seus fados.
Em 1950 parte para Angola, onde permaneceu durante dez anos a trabalhar na sua profissão de cortador de carnes, mais tarde na Rodésia, África do Sul e Holanda.
Regressa a Portugal em 1976, e reinicia a sua actividade de cantador, actuando em festas, em casas típicas, na televisão e na rádio.
È dos fadistas que tem todo o seu repertório gravado em discos, nos quais inclui fados com músicas da sua autoria como Anabela, Amigos São Inimigos, O Mineiro, Doutora Inocente, Diálogo em Sentido Figurado, Coisas da Vida, Salve!, Vê-te ao Espelho e Eterno Amor de Mãe, O Sábio e o Barqueiro, Fado Cadillac, Maria da Paixão, Contraste, Não Com­preendo, etc., para além de outros autores.
Dos cerca de 30 fados cantados por Frutuoso França, um dos que tiveram maior audiência foi “O Médico e a Duquesa”, com música sua e letra de Joaquim M. S. Teixeira."

Do seu repertório, para o lembrar e à sua particular interpretação, escolhemos este fado com letra e música da sua autoria.

VÍDEO DE HOMENAGEM
video

sábado, junho 21, 2008

PARA OS CRAVOS DE PAPEL

Da mulher mansa e calada
Não deixes de ter suspeitas.
A água, quando parada,
É que provoca as maleitas.
Augusto Gil


«Quem ama tudo perdoa»?
Deixa lá dizer quem diz!
Da chaga que nos magoa
Fica sempre a cicatriz.
Virgínia Mota de Aguiar


Com quatro letras apenas
A palavra amor se escreve.
-Como cabe tanta coisa
Numa palavra tão breve!...
João da Mata

FERNANDA MARIA - "Barcos do Tejo"



Vamos hoje recordar essa grande cantadeira que é Fernanda Maria, acerca da qual eu não saberia pronunciar-me com mais propriedade do que estes meus ilustres visitantes, aos quais daqui saúdo e a quem agradeço os comentários, no meu anterior post de Nov. 2007, que passo a transcrever:



"Fernanda Maria não reinou no Lisboa à noite. Fernanda Maria reina na noite fadista de Lisboa. O seu exemplo persiste pois ninguém o superou e para os poucos que a conseguem ainda ouvir demonstra que continua a ser a grande Fernanda Maria. Uma lição de fado!" N.A.Coelho



"É minha absoluta convicção de que quem reina, reina sempre! E felizmente as novas técnicas permitem-nos perpetuar vozes e interpretação tão magníficas, como esta que aqui regista. Por isso os Grandes sê-lo-ão sempre! Registo que Fernanda Maria é toda ela Fado, a sua própria vida é um fado é isso que torna Fernanda maria e outros nomes, GRANDES NOMES no estrelato nacional!" Nuno L.



"Fernanda Maria é uma das maiores, estraordinariamente dois homens de letras aqui o afirmam. Parabéns à blogger e acrescento que o ano passado quem ouviu a Fernanda Maria na II Gala Amália ficou certo que aquilo era muito fado!" aideuseue



"Sou uma absoluta fã, incondicional, da Srª Dª Fernnada Maria. Os seus fados são os nossos do dia a dia, da vida, fados que entendemos, situações que percebemos e semrpe com grande sentimento! Bem haja!" M.L. Castanheira



Quero também agradecer a todos os anónimos que disponibilizam fotos na net, as quais utilizo nos meus vídeos, e ainda particularmente ao fotógrafo Dias dos Reis




cujas belíssimas fotografias são imprescindíveis;


à produtora Vita Laïns




que pôs à minha disposição a sua magnífica galeria de fotos;


e, finalmente, last but not least, a todos os que, como a Neuza


adoram os barcos típicos do Tejo e mantêm viva a Tradição; agradeço também as fotos que utilizei no vídeo e que ilustram este fado de Lopes Victor e de Martinho d'Assunção, que Fernanda Maria interpreta e que tem por tema Lisboa, o Tejo e os seus barcos.
VÍDEO DE HOMENAGEM
video

sexta-feira, junho 20, 2008

O Foot-ball




















Uma crónica de Júlio Dantas, datada de 1914.
No essencial, pouco parece ter mudado... o culto do músculo, a obsessão pelo foot-ball, a sempre explicável superioridade dos adversários ... O que terá mudado substancialmente é a inexplicável
cotação dos jogadores, os ordenados fabulosos que auferem, o que não só constitui uma afronta à pobreza, mas também à inteligência de todos nós...

MAX - "Ilha da Madeira"


Natural do Funchal, Maximiano de Sousa (1918-1980), que ficou conhecido por Max, compositor e cantador, interpreta esta "pérola", da autoria de Artur Ribeiro e de M. Gonçalves Teixeira, que alude a outra "pérola", igualmente preciosa e do nosso património - a Madeira. Uma voz pequenina, mas tão grande no fado!
VÍDEO DE HOMENAGEM
video
Nota biográfica:
Foi uma das mais populares vedetas da rádio, do teatro e da televisão portuguesas, desde os anos quarenta até à sua morte em 1980. A ele se devem êxitos como Noites da Madeira, Bailinho da Madeira ou A Mula da Cooperativa. E nada faria prever que este jovem madeirense, que sonhava ser barbeiro e fora alfaiate, viria a ser um dos mais populares artistas portugueses.Maximiano de Sousa, de todos conhecido como Max, era madeirense, nascido no Funchal em 1918. Foi aí que iniciou a sua carreira artística. Sonhara ser barbeiro e violinista, tinha ouvido para a música mas pouca paciência para aprender o solfejo, e acabou por aprender o ofício de alfaiate. Contudo, o bichinho da música que sempre tivera tornou-se numa carreira em 1936, quando começa a actuar no bar de um hotel do Funchal: cantor à noite, alfaiate de dia. Em 1942, é um dos fundadores - como cantor e baterista - do Conjunto de Tony Amaral, que se torna numa sensação nas noites madeirenses e que, em 1946, vem conquistar Lisboa. O trabalho é muito e o conjunto assenta arraiais no night-club Nina, interpretando os ritmos do momento - boleros, slows, fados-canções. E é o Fado Mayerúe de Armandinho e Linhares Barbosa, mais conhecido como Não Digas Mal Dela, que populariza a voz de Max e leva à sua saída do Conjunto de Tony Amaral, iniciando finalmente a carreira a solo que desejava em 1948.Agora actuando sozinho, Max dispara para o estrelato através da rádio e das suas presenças no Passatempo APA do Rádio Clube Português, em parceria com Humberto Madeira. Em 1949, assina contrato com a Valentim de Carvalho e grava o seu primeiro disco: um 78 rotações com Noites da Madeira e Bailinho da Madeira.É o primeiro de uma longa lista de sucessos como A Mula da Cooperativa, Porto Santo, 31 ou Sinal da Cruz. Em entrevista ao jornal Se7e, em 1978, referia que eram os discos que lhe davam mais dinheiro, pois "os direitos de autor estavam sempre a pingar".Depois da rádio, Max conquista o teatro, participando a convite de Eugênio Salvador na revista Saias Curtas, em 1952. Será apenas a primeira de uma longa série de revistas que confirmarão também os seus dotes de actor e humorista.Em 1957, parte para os EUA para uma digressão de cinco anos interrompida por uma súbita doença de coração ao fim de dois. Viajará em seguida por Angola, Moçambique, África do Sul, Brasil e Argentina.Regressado a Portugal, embora continue a ser um dos artistas mais queridos do público, encontrará alguma dificuldade de trabalho, sobrevivendo à conta dos discos que continuava a gravar. Um dos seus maiores êxitos surgirá aliás neste período, Pomba Branca. Faleceu em 1980.


Plat.

domingo, junho 15, 2008

HERMÍNIA SILVA - "Telhados de Lisboa"



"É indiscutível que Hermínia Silva foi um ídolo do povo, que a elegeu, a amou e venerou, e ela correspondeu. ... Eu adorei a Hermínia", diz Vítor Duarte Marceneiro, no seu livro Recordar Hermínia Silva, uma monografia em jeito de homenagem.

Creio que muitos serão os que, como Vitor Marceneiro, dirão "Eu adorei a Hermínia"! Eu, já disse!

Apaixonada pela sua cidade, vamos recordá-la interpretando um dos seus enormes êxitos, o fado "Telhados de Lisboa", cuja música é, curiosamente, da autoria de seu filho, Mário Silva, e a letra de Frederico de Brito.

VÍDEO DE HOMENAGEM
video


Do blog http://lisboanoguiness.blogs.sapo.pt/ , da autoria de Vítor Marceneiro, a nota biográfica desta notável fadista:
"Hermínia Silva nasceu às 18 horas do dia 23 de Outubro de 1907, no Hospital de São José, freguesia do Socorro, era filha de Josefina Augusta, que morava à data do parto na Rua do Benformoso, 153, no 1.º andar, freguesia dos Anjos, em Lisboa. (1)

(1) Conforme Acento de Nascimento n.º 704, do ano de 1907, na 8.ª Conservatória do Registo Civil de Lisboa.
Sua mãe, chamava-se Josefina Augusta, era natural de Samora Correia. Teve uma irmã mais velha que tinha o nome de Emília e um irmão que se chamou Artur Moreira.

É com palavras da própria Hermínia, com a sua simplicidade, a sua graça no jeito tão pitoresco que ela tinha a exprimir­‑se, que aqui se transcreve parte da sua biografia:
Julgo que nasci numa casa ali para os lados do Campo de Santana (2), numa travessa, cujo nome não recordo, e não recordo porque saí de lá apenas com oito meses. A verdade é que não tenho quaisquer recordações do tempo que mediou entre o meu nascimento e a idade escolar, mas creio que fui uma criança absolutamente normal, com todas as gracinhas, «perrices» e evoluções que são comuns a todas as crianças normais.
No entanto, recordo que me con­taram que quando tinha oito meses caí da varanda à rua. Mas eu explico como isso foi e como é possível eu ainda aqui estar a falar sobre a minha infância.
Ora, na casa onde nasci, havia uma va­randa, na qual eu brincava habitualmente, que, por segurança, estava protegida por uma rede. Porém, um dia, por qualquer razão, que ignoro, alguém tirou a rede e eu, na minha «gatinhice», enfiei pelas grades e fiz um «voo pi­cado» até à rua… bom, até à rua não, porque tive a sorte de cair na giga de uma mulher que vendia hortaliça e que, providencial­mente, passava nessa al­tura debaixo da varanda.
Logo um senhor, que passava por ali na ocasião, agarrou em mim e levou­‑me para o Hospital. Cheguei lá e... pasmem, verificaram que não tinha nem uma beliscadura. E eu, muito sossegadinha, não chorava nem nada.
Deram­‑me, depois, lá no Hospital, uma colher de cerveja preta e trouxeram­‑me finalmente de volta a casa, onde todos se encontravam mui­to aflitos,... Mas cair de um segundo andar à rua, apenas com oito meses, e nada sofrer, hem?! Ao menino e ao borracho…
Este é, segundo julgo, o único episódio fora do vulgar da minha infância, já que não tenho ideia ouvir falar em mais nada.
Como consequência dessa queda da janela à rua, veio uma mudança de resi­dência. Minha mãe, impressionada com o acidente, não quis continuar naquela casa e, assim, mudámo­‑nos para o Castelo.
(2) Hermínia faz esta afirmação sobre o seu nascimento em entrevista ao jornal Trovas de Portugal, de 30 Julho de 1933, onde, na página seis, Hermínia escreve pela pena do jornalista: — Sou de Lisboa, freguesia do Socorro, e criei­‑me no Castelo de S. Jorge!
No Álbum da Canção, datado de 1965, fala do local do seu nascimento, mas sem muita clareza: — nasci numa travessa da qual não me lembro o nome, ali ao “Campo de Santana”.
Em 1980, quando da festa da entrega da Medalha de Ouro da Cidade de Lisboa, Hermínia Silva é entrevistada para a RTP e diz que nasceu na «Rua das Flores» que ficava junto à Travessa Conde de Avintes, e que era perto do local onde morava o Armandinho. Ora este local situa­‑se na freguesia de S. Vicente de Fora e há lá uma Travessa das Flores e não Rua das Flores.

Desde que me entendo que gostei de cantar. E o fado, cantava­‑o a todo o mo­mento, e por toda a parte: na rua, em casa, na escola, desde que aos seis anos comecei a frequentar a escola, que ficava ali na Rua da Madalena, mesmo em frente da igreja.
Ora lá na escola, por vezes, havia umas festas nas quais tomavam parte algumas meninas que sabiam cantar. Eu deixava­‑me ficar muito caladinha quanto aos meus «méritos», pois tinha vergonha de os reve­lar. Até que um dia, quando se preparava uma dessas festas, uma das minhas colegas dirigiu-se à mestra e, apontando-me, revelou:
— Minha Senhora, esta menina canta muito bem!
Claro está que a professora quis, imediatamente, avaliar as minhas possibilidades e mandou-me cantar uma música que eu soubesse bem. E eu «desatei» logo a cantar um fado, daqueles bem fadistas.
A professora ao ouvir-me cantar o fado levou as mãos à cabeça e, fazendo um gesto negativo, declarou:
— Ai. Esta menina! Não… Fado não!
Depois, talvez por ver a decepção estampada na minha cara, incitou-me a cantar outra «moda» que eu soubesse. Cantei, ou melhor, comecei a cantar uma canção que sabia também, mas o pior é que mesmo a canção, na forma como eu cantava e na minha voz, soava como fado. E, de novo, a senhora me interrompeu, repetindo, um tanto ou quanto escandalizada:
— Não, fado não… Esta menina não pode cantar na festa! As meninas não cantam fado!
Escusado será dizer que fiquei com uma grande «pinha», pois cantar já era para mim uma paixão.
E começava também já a despontar em mim o desejo de representar. E chorei que me fartei.
Mas a vida continuou e eu sempre cada vez mais possuída por aquela verdadeira paixão que era para mim o cantar. E sempre que podia lá estava eu de «boca aberta» quer fosse em casa, quer fosse nas casas de pessoas amigas que me convidavam, de vez em quando, a cantar um «fadinho», quer fosse em festas particulares, onde me chamavam de propósito para eu «botar» cantiga, porque achavam que eu tinha «jeitinho».E eu ia sempre cantando e sempre a pensar no Teatro, pois nesse tempo não havia casas típicas e eu para as tabernas não ia… claro que não ia.
Até que um dia…
Estava eu em casa da minha irmã Emília (3), que morava ali em Entre Muros do Mirante, quando casualmente passou o Armandi­nho, que morava para aqueles lados e me ouviu cantar. Ou melhor, ouviu uma voz, vinda da­quele prédio. Então, subiu as escadas, bateu a porta e perguntou à minha imã, que foi quem abriu:
— Não é aqui que está uma pequena a cantar?
— É, é. É a minha irmã — re­plicou.
— Que idade tem ela?
— Olhe, tem doze anos.
— Chame­‑a lá, faz favor — vol­veu Armandinho, cada vez mais interessado.
A minha irmã, que sabia o quanto eu era acanhada, volveu:
— Ai, ela não vem.
— Chame­‑a lá — insistiu o grande Armandinho. — Olhe que ela tem uma bonita voz. Uma voz muito engraçada. Ora cha­me­‑a lá. Que eu arranjo já um contrato para ela ir gravar um disco ao «Valentim de Carvalho».
A minha irmã sorriu, pouco convencida, e explicou a Armandinho:
— Ai, ela não vai. A minha mãe não deixa.
Porém, o famoso guitarrista não se deixou con­vencer com aquela primeira negativa da minha irmã.
(3) Hermínia refere que a irmã vivia ali «Entre Muros do Mirante», à Graça, e provavelmente passava por este local quando ia para casa da irmã. Quanto à sua alusão a Rua das Flores, e como já acima referi, será lógico ser Travessa das Flores, que fica na freguesia de S. Vicente de Fora.

Gostara, sinceramente, da minha voz, da ma­neira como eu interpretava o fado e não estava disposto a desistir assim às primeiras. E então pediu licença para entrar, para falar directamente comigo.
Escusado será dizer que eu, que estivera a ou­vir toda a conversa, apareci nesse instante e, então, Armandinho dirigiu­‑se­‑me:
— Então, não quer vir cantar?
Eu claro que queria cantar, já que cantar era, pode dizer­‑se, a mi­nha vida.
Mas a verdade é que fi­quei muda e o malogrado artista prosseguiu:
— Ora vá, venha gravar um disco. Olhe, nós agora até vamos a Berlim, com o Menano e a Ercília Costa, e a menina também podia ir.
Talvez por julgar que me encon­trava a sonhar, a verdade é que per­maneci muda como um penedo, enquanto o meu interlocutor, certamente para me entusiasmar, ia pros­seguindo, tentador:
— Vá, venha que faz um «vistaço». Venha lá gravar um disco. Então não quer ir connosco cantar? Então não quer ir para o Teatro?
É claro que, se eu tinha imensa vontade de ir para o Tea­tro, naquela altura, ainda fiquei com mais. Mas não fui. Não fui com o Armandinho. Sim, não ia assim para Berlim. De maneira nenhuma...
Mas as coisas da vida nem sempre cor­rem à medida dos nossos desejos, e o mundo dá muitas voltas.
Chegou a altura em que tive necessidade de ir aprender um ofício e empreguei­‑me como aprendiza de modista. No en­tanto, o meu pensamento estava sem­pre no Teatro e no Fado. E continuei a cantar, quer pelos bailaricos, quer em festas particulares, para as quais estava sempre a ser chamada. E eu ia sempre, pois o que eu queria era cantar…


EU, QUE NÃO SOU NADA DRAMÁ­TICA,
FUI AMADORA DRAMÁTICA…

Em 1925, sempre norteada pelo grande amor que dedicava ao Teatro, inscrevi­‑me como ama­dora dramática no «Grupo dos Leais Amigos», ali ao pé da igreja de S. Vicente. O que eu queria era representar e tanto assim que representei coi­sas dramáticas, eu que não sou nada dramática... Mas tal era a fúria de ser artista... que tudo me servia.
Em 1926, representei e cantei no antigo Teatro Gil Vicente, à Graça. Foi ali que, certo dia, apareceu um senhor que era escritor, Artur Vítor Machado de seu nome. Esse senhor levou­‑me à presença do pai, o maestro A. Júlio Machado, que era empresário, e foi logo assim, que ainda nesse ano me levou numa tournée à província.
Era tal a minha gana de vencer, que me comportei de tal modo que, no início desse giro artís­tico, o meu nome figurava nos cartazes em último lugar e quando regressámos eu era já a primeira figura.
Terminada essa tournée que foi, pode dizer­­‑se, o início da minha carreira como profissional, fui trabalhar para um cinema, ali à Esperança, o «Malacaio». O contrato por oito dias que me fizeram era para cantar fados no final da exibição dos filmes.
Mas a verdade é que o público me dispensou tantas gentilezas, me acolheu e adoptou com tanta e tão grande simpatia, que esses oito dias se transfor­maram, quase sem que déssemos por isso, em dois anos.É verdade: durante dois anos consecutivos actuei no «Malacaio» em final de festa. E sempre com o pleno agrado do público frequentador da­quele cinema que não me regateou o seu apoio e os seus aplausos. Ainda hoje conservo no coração a simpatia daquele pú­blico. Foi Rui Metelo, um empresário muito co­nhecido na época, que me proporcionou esse contrato.

O PARQUE MAYER

Quando finalmente deixei de cantar no «Malacaio», fui para o Parque Mayer. Ali os estabelecimentos de far­turas tinham, ao tempo, grande clientela, estavam em voga. Ali se cantava o fado. Pode dizer­‑se que essas casas foram as percursoras das casas típicas que hoje conhecemos.
Ora, quando fui para o Parque Mayer, era contratada pelo «Valente das Farturas». Este contrato, tal como acontecera com o cinema da Esperança, era por oito dias. Mas tal como aconteceu no «Malacaio», esses oito dias prolongaram­‑se por mais dois anos.
Nessa altura, eram frequentadores assíduos no «Valente das Farturas» a grande maioria dos artistas de então, que trabalhavam nos Teatros do Parque Mayer. Muitos deles já iam lá especialmente para me ouvirem, pois gostavam da minha maneira de cantar. O meu salário então já era de cinquenta e cinco escudos diários, o que para o tempo era um grande cachet, mesmo tendo em consideração que chegava a ter seis sessões diárias.
Entre os muitos artistas que fre­quentavam assidua­mente o «Valente das Farturas», que se tornara o palco onde eu dava livre curso ao meu íntimo desejo de cantar, contavam­‑se dois artistas de grande cartel na época, que trabalhavam no Teatro Maria Vitória, que eram o Alberto Ghira e a Hortense Luz, e certo dia vieram falaram comigo, convidando­‑me a ir para o teatro. Mas eu ganhava ali muito bem, embora o teatro fosse a minha grande paixão, eu não ia trocar o certo pelo duvidoso. Foi, pois, embora contrariada, que lhes disse que não acei­tava.
O Alberto Ghira ainda voltou a insistir, mas continuei a recusar, com o mesmo fundamento de que me sentia ali bem e ganhava uma pequena fortuna, mas disse logo que no dia em que deixar de trabalhar aqui irei para o Teatro, se ainda me quiserem lá.
E, assim, se gorou a primeira grande oportuni­dade­ para eu entrar para o Teatro de Revista e dele fazer o centro da minha actividade artística.
Como já tive oportunidade de frisar, também no «Valente das Farturas», tal como acontecera, ante­riormente, no Cinema em que actuei em fim de festa, mantive­‑me dois anos consecutivos, merecendo sempre, devo reconhecê­‑lo, o carinho do público, que aliás eu fazia por manter, dando tudo quanto tinha dentro de mim, sempre que cantava, o que acontecia, como também já disse, muitas vezes em cada dia.
Mas certo dia tive mesmo que parar de cantar, porque tive uma grande constipação nas cordas vocais que me pôs bastante «à rasca», durante mais de um ano. Foi com imensa tristeza, pois como já sabem, o cantar era o maior gosto da minha vida, e além disso tinha passado a ser a minha fonte de subsistência (4).

(4) Estava­‑se em finais de 1926 e Hermínia estava grá­vida; seu filho Mário Silva vem a nascer em 9 de Abril de 1927.
Grande constipação..!, Herminia não fala da sua gravidez nesta altura, pois tem que manter a "credibilidade" da idade que diz que tem e que a sua figura muito miúda aparenta. Em 1926 tem dezanove anos, mas afirma que tem 15, esta diferença com os anos passa para menos 7 anos, por isto toda a gente fazia as contas e julgava que ela tinha nascido em 1913.

POR FIM O TEATRO DE REVISTA

Quando, finalmente, recuperei da doença, roidinha de sau­dades de cantar e do contacto com o meu querido público, que sempre me acarinhara, fui trabalhar para uma Sociedade de Recreio que, se não estou em erro, era o «Comando-Geral». Foi aí que, certo dia, o co­nhecido empresário Ma­cedo e Brito me abor­dou, dizendo­‑me que, conhecendo o meu valor achava que eu devia voltar era a cantar. Prometeu­‑me que me ia arranjar uma entrevista com o empresário de teatro António de Macedo.
Passados poucos dias confirmou­‑me a marcação da entrevista; fiquei entusiasmada, não podia perder esta nova oportunidade de ingressar no Teatro, que era o sonho doirado da minha vida, e logo fui falar com o António Macedo, que me contratou imediatamente, para actuar em fim de festa, cantando fados — claro está — na opereta «Fonte Santa» (1932).
O público voltou a corresponder inteiramente, aplaudindo­‑me com simpatia, e foi graças a esse mesmo público que, logo de seguida, fui contratada para fazer uma revista, que se intitulava Feijão­‑Frade (1933), que era um original de Xavier de Magalhães, Almeida Amaral e Fernando Santos. E esta foi a primeira revista em que eu entrei.
Foram assim na realidade os meus primeiros passos a sério com o teatro de revista, e a verdade é que, sem vai­dade, fiz um autêntico brilharete.
De então para cá tomei parte em inúmeras revistas, assim como numas quantas operetas, e até em peças declamadas.
A minha carreira continuou, felizmente, com grandes êxitos, que, certamente, eu não merecia, mas o público me quis oferecer.
Também actuei nos estúdios da RTP, a última vez foi num dos episódios da série Os Três Saloios, protagonizada por Raul Solnado, Humberto Madeira e Emílio Correia, três valores do nosso teatro ligeiro.E devo confessar que gostei.
Tive, ao longo da minha carreira, como é natural, muitas e variadas pro­postas para ir ao estrangeiro, mas como sou multo «pegada» a isto.
Tenho muita relutân­cia em sair de Portugal, eu ainda nem sequer visitei as províncias ultramarinas, apesar dos muitos convites que para o efeito me têm endere­çado e do grande desejo que te­nho de as conhecer.
— Fui ao Brasil, onde me demorei o menos tempo possível, aos Açores e à Madeira, onde fiz uma curta série de espectáculos.
Herminia Silva desde a sua estreia em 1932, participou em 13 operetas, 37 revistas, 2 peças declamadas e ainda em 5 filme e vários programas de televisão.

Conclusão do autor:

Hermínia, sem sombra de dúvidas, nasceu a 23 de Outubro de 1907, no Hospital de S. José, freguesia do Socorro, em Lisboa.

O episódio que contou sobre ter caído da janela à rua refere­‑se decerto à rua onde sua mãe morava quando do seu nascimento, Rua do Benformoso, 53, 1.º, freguesia dos Anjos, em Lisboa.

Tudo leva a crer que sua irmã morava na Travessa das Flores, freguesia de S. Vicente de Fora, em Lisboa, enqua­drando­‑se assim com toda a lógica o episódio em que conta como o guitarrista Armandinho a ouviu cantar."

© Vítor Duarte Marceneiro
Autorizada a utilização desde que seja mencionada a autoria.

sábado, junho 14, 2008

FERNANDO FARINHA - "Canção de Lisboa"



















Em 1934, era publicada esta letra do Fado "Chic", da autoria de Luiz da Silva Gouveia, do repertório de Joaquim Pimentel, cantada na música do "Fado do Estudante" do filme "Canção de Lisboa" (1933).
Numa colectânea de fados editada em 1999, vem este fado indicado como tendo letra de Fernando Farinha, que também o canta, e música de Jaime Mendes (!?).
VÍDEO DE HOMENAGEM
video
A seguinte nota biográfica acerca de FERNANDO FARINHA é daqui http://www.macua.org/biografias/fernandofarinha.html
"Talvez poucas pessoas saibam que esta figura tão típica da cidade de Lisboa e da sua memória nasceu, afinal, no Barreiro, em 1928. O seu pai, barbeiro, decide tentar a sorte na capital e, com 8 anos, o pequeno Fernando vem viver para o bairro do Bica.No ano seguinte canta pela primeira vez em público, num concurso entre bairros. Triunfante, com alcunha logo ali ficou: o "Miúdo da Bica". Com 11 anos, por morte o pai, torna-se profissional do fado, para o que foi precisa licença especial. Apoiado pelo conhecido empresário José Miguel, vai ganhar 50 escudos por noite no Café Mondego. Pela mão de Fernando Santos, jornalista e autor, entra ainda criança no Teatro de Revista (Boa Vai Ela), na qual se estreia, igualmente, Laura Alves. Aufere 100 escudos por noite. Assim ampara a família.O percurso das casas de fados será o seu destino nos anos que se seguem: Retiro da Severa, Solar da Alegria, Café Latino. Com 23 anos vai pela primeira vez ao Brasil. Aí estará durante quatro meses, actuando nas rádios Tupi e Record, de São Paulo. Ao longo de toda a década de cinquenta internacionalizará, progressivamente, a sua carreira junto das prósperas comunidades portuguesas, sobretudo do Brasil. Em 1957 é nomeado "A Voz mais portuguesa de Portugal", pela Rádio Peninsular.Presente na televisão desde os seus alvores, Fernando Farinha participa no programa Melodias de Sempre.A década de sessenta é o culminar da sua popularidade. Segundo classificado em 1961, triunfa em 1962 como Rei da Rádio. No ano seguinte vence o primeiro galardão "Disco de Ouro", à frente de Calvário e de Tudela. Em 1963 ganha o Oscar da Casa da Imprensa para melhor fadista. Participou nos filmes O Miúdo da Bica e Última Pega.Continuou a sua carreira nas décadas seguintes, actuando sobretudo para as comunidades de emigrantes. Uma das suas facetas menos conhecidas é a sua capacidade como letrista e poeta popular.
PRINCIPAIS ÊXITOS:Sou do Povo, Deus Queira, Belos Tempos, Dias Contados, Menina do Rés-do-Chão, Fado das Trincheiras, Eterna Amizade, Guitarra Triste. "

sexta-feira, junho 13, 2008

O FADO em PARIS












Já em 1914, data desta notícia, o "Fado" se ouvia e dançava em Paris; um sucesso que o público parisiense assinalava, aplaudindo entusiasticamente e obrigando a orquestra do Dancing Palace a bisar essa composição.
(Para ler a notícia, clicar no texto)

SANTO ANTÓNIO


















Tem alguma razão Júlio Dantas quando assim fala. De facto, nem sempre lembramos Stº António como um dos Doutores da Igreja, um dos maiores sábios do seu tempo. E é justo que o façamos!
Aqui fica a lembrança, nesta crónica datada de 1914.

quinta-feira, junho 12, 2008

MARIANA SILVA - "Marcha dos manjericos"
















Este fado-marcha, inicialmente intitulado "O meu Manjerico", com letra de Alberto Rodrigues, que foi dono da "Parreirinha", e música de Casimiro Ramos, foi uma criação de Berta Cardoso, que nunca o terá gravado.

Vamos ouvi-lo, pois, na interpretação de Mariana Silva.

VÍDEO DE HOMENAGEM

video

quarta-feira, junho 11, 2008

FADO MACAU


















Ora bem, aqui temos o autor do Fado Macau!
Investigando, a gente/agente encontra, não é?
Vem este "recado" e cartão vermelho a propósito de ter eu encontrado, em dois livros de referência, uma indicação de autoria que, desde logo, me pareceu suspeita- num, era referido como autor Adriano Baptista(?) ou Jaime Santos, no outro, Adriano Roiz Baptista... Não andaram longe, não, mas as imprecisões são inaceitáveis e sempre de palmatória em "livros de referência" e denotam uma imensa falta de respeito pelos leitores... até mesmo porque são erros que, geralmente, se eternizam no tempo e ganham foro de verdade, impedindo depois, por vezes, a reposição da verdade verdadeira...

terça-feira, junho 10, 2008

A PORTUGUESA

video

A assinalar o Dia de Portugal, o Hino cantado pelo Coro do Teatro S. Carlos.

segunda-feira, junho 09, 2008

O VINHO E O LEITE...


... ou A UVA E A VACA

GUITARRA-MOCHILA


Uma interessante criação de Rita Ruivo.
Quem sabe se esta mochila não vai ser adoptada pelos fadistas?!...

domingo, junho 08, 2008

VANDALISMOS






TRISTEZA, não é?
Isto não são graffitis, não é arte urbana, é puro vandalismo sobre bens públicos e privados, cometido por MARGINAIS e tolerado por uma sociedade imbecilizada, defensora da teoria dos "no frustated babies"...

Até quando vamos tolerar isto?

ERMELINDA VITÓRIA - "O meu Portugal"




VÍDEO DE HOMENAGEM

video

Gravado em 1929, este fado cantado por Ermelinda Vitória(1892-198 ), uma das consagradas cantadeiras que pertence à História do Fado das primeiras décadas do séc. XX, encontra-se no Vol.I - Fado de Lisboa (1928-1936), da colecção "Arquivos do Fado", editada em Portugal pela Tradisom , de que é Director José Moças.

"Meu país é Portugal / de beleza sem rival / com o céu da cor de anil / Nesse pequeno tesoiro / cai o sol em chuvas d'oiro /dando à terra graças mil"...

É interessante recordar, a/de propósito, que Ermelinda Vitória, uma cantadeira de renome na sua época e que foi companheira do grande violista e compositor Georgino de Sousa, acabou os seus dias como empregada de limpeza d' A Brasileira do Rossio...

sábado, junho 07, 2008

ERCÍLIA COSTA - "Na minha infância"






"Com o tradicional exagero dos cognomes que o público arranjava para as vedetas de quem muito gostava, Ercília Costa ficou conhecida como "a Santa do Fado" ou "a Toutinegra do Fado". Mas aqueles que tiveram o privilégio de a ouvir sabem que Ercília Costa era uma das grandes cantadeiras de fado da primeira metade do século XX. O seu nome é hoje pouco recordado, pois as gravações que realizou são anteriores aos anos cinquenta, altura em que se começou a popularizar o disco gravado, mas no seu tempo foi uma vedeta acarinhada pelo público. Nascida em 1902, na Costa da Caparica, filha de pescadores, Ercília Costa iniciou-se na música quase por acaso. Sem ter prévia experiência musical ou artística, apenas motivada pelo gosto de cantar, a então adolescente apresentou-se no Conservatório de Lisboa em resposta a um anúncio procurando cantores para uma récita a realizar no Teatro de São Carlos. Ercília foi escolhida para o elenco, mas a representação acabou por não se fazer e, apesar de ter sido sondada para seguir o curso daquela instituição, régressou à sua vida. Pouco depois, o actor Eugênio Salvador, que se cruzara com ela no Conservatório, recordado da voz que chamara a atenção, convida-a para o teatro. E foi assim, em resposta a um convite casual, que Ercília entrou para a companhia do Teatro Maria Vitória.Embora tenha sido pela revista que começou - actuando ao lado das maiores vedetas do palco da altura, como Luísa Satanella ou Beatriz Costa - Ercília Costa tornar-se-ia verdadeiramente popular como fadista, actuando em muitos retiros e nas mais importantes casas típicas da altura, e chegando inclusive a realizar espectáculos no estrangeiro, casos de uma digressão por França em 1937 e de actuações nos EUA em 1939 e 1947. Participou igualmente em alguns filmes, e, caso raro, chegou a compor algumas das suas criações mais célebres, como o Fado da Mocidade ou O Filho Ceguinho (conhecido como o Menor da Ercília).No início da década de cinquenta, Ercília Costa retirar-se-ia da actividade artística. Depois de participar em 1951 no filme Madragoa e de algumas actuações pontuais em espectáculos de beneficência, abandonou a carreira para se dedicar ao seu casamento, sem nunca ter cedido à tentação de regressar ao palco. Como declarou em 1967 à revista Flama, "não quis fazer festa de despedida, porque pensei sempre que algum dia podia precisar de voltar...". Mas não voltará a actuar em público até ao seu falecimento em 1985. "
VÍDEO DE HOMENAGEM

video

Na interpretação distinta de Ercília Costa (1902 - 1985), este fado que tem letra de João da Mata e música de Armandinho (???)

(Respeitamos a autoria mencionada no EP, mas parece-nos que o Menor com versículo é do A. Marceneiro, não?)

sexta-feira, junho 06, 2008

JOSÉ PORFÍRIO - "Fado Vitória"

VÍDEO DE HOMENAGEM

video

José Porfírio (1909-1940) terá gravado este fado em 1929, ano em que se profissionalizou, cantando então no retiro Ferro de Engomar.

Um fado de Lisboa que evoca Coimbra, o Mondego, as Tricanas, o fado coimbrão...

Mais uma gravação, em boa hora recuperada pela Tradisom, que integra a colecção Arquivos do Fado.

quarta-feira, junho 04, 2008

PARE - ESCUTE - OLHE...




















Parei a ler esse "aviso à navegação", escrito por um qualquer poeta anónimo, que se encontra inscrito num tapume das persistentes obras do Metro do Terreiro do Paço. É importante a mensagem:
A Fome

"Quando um ser não come
A fome consome
Tudo em si corrói
E dói
Mata lentamente
Nenhum prazer sente
E transforma-se lentamente
Num animal irracional
Que não consegue distinguir
O bem do mal"

Pois é! Parece que alguns já terão atingido esse perigoso estado de irracionalidade...
Olhando para o lado de lá da rua, em plena Praça do Comércio, a sala de visitas de Lisboa, avistei esse montículo que me pareceu, à primeira vista, alguma bagagem esquecida... Olhando melhor, apercebi-me que era, afinal, mais um dos vários sem-abrigo que habitam o local, ali, junto aos ministérios... ali abandonado, no chão, como lixo... testemunho da indiferença de todos nós.
Que vergonha! Que dor! Que revolta!