quinta-feira, agosto 31, 2006

"O MEU MANJERICO"
















Mais uma criação de BERTA CARDOSO. Creio que também nunca chegou a gravar este fado, como tantos outros que criou. Posted by Picasa

domingo, agosto 27, 2006

Magia...
















... do Fado, na voz de Joana Amendoeira que, no passado dia 27, se apresentou em Varazdin, na Croácia, no Festival Spancirfest.
Se, como eu, gosta de andar bem informada/o, visite o sítio http://joanaamendoeira.com e depois dê um salto a www.joanaamendoeira.blogspot.com, o blog simpático que leva assinatura da fadista Posted by Picasa

sábado, agosto 26, 2006

ANTOnioLOGIA



















Poeta e fadista, considerado, em 1959, no Café Luso, como o melhor intérprete do Fado Menor e eleito Rei do Fado em 1967, António Rocha iniciou a sua carreira profissional em 1956, no Retiro Andaluz, em Lisboa.
Para ouvir ao vivo este reconhecido estilista de fado, vá às Arcadas do Faia, na R. da Barroca, 54-56, ao Bairro Alto, onde se encontra a cantar.
Para ouvi-lo, onde e sempre que quiser, adquira a Antologia, cuja capa se mostra, com 2 CD, que inclui 30 fados - alguns dos seus êxitos entre 1966 e 1981.

(A título de curiosidade, refira-se que o Retiro Andaluz funcionou no local onde existia a Adega Peres, propriedade do avô do violista Paquito, e onde actualmente se situa o Restaurante Valbom, na Av. Conde Valbom, nº 110, em Lisboa - mais um local de fado que desapareceu, já há alguns anos, da noite lisboeta.)
Posted by Picasa

sábado, agosto 19, 2006

(Outr)os dez mandamentos

10 Regras Para Criar Filhos Delinquentes...

Comecem cedo a dar ao vosso filho tudo o que ele quer. Assim ele convencer-se-á, quando crescer, de que o mundo tem obrigação de satisfazer todos os seus caprichos.
Se, enquanto pequeno, o vosso filho utilizar expressões grosseiras, achem-lhe graça. Isso fará com que ele se convença de que é espirituoso e levá-lo-á a refinar a sua linguagem ordinária.
Não lhe dêem educação religiosa nem lhe inculquem princípios morais. Esperem pela sua maioridade para que, feitos os 18 anos, seja ele a fazer pessoalmente a sua escolha.
Evitem recriminá-lo, para que ele não crie um complexo de culpa. Estes complexos, como toda a gente sabe, não deixam que as crianças desenvolvam a sua personalidade.
Façam sempre tudo aquilo que devia ser o vosso filho a fazer. Arrumem as suas coisas e apanhem o que ele deitar para o chão. Desta maneira se habituará a empurrar para os outros as suas responsabilidades.
Deixem que o vosso filho leia tudo o que lhe vá parar às mãos. Tenham o maior cuidado em esterilizar os talheres, os pratos e os copos, mas deixem que o seu espírito se alimente de imundices.
Discutam e zanguem-se em frente dele. Isso é muito útil para que ele se convença de que a família é uma instituição nociva e de que não deve qualquer respeito aos seus pais.
Dêem-lhe todo o dinheiro que ele quiser. Evitem que ele o ganhe com o seu trabalho ou através do seu comportamento. Tem tempo. Deixem-no ser feliz enquanto é jovem.
Satisfaçam todas as suas exigências ou caprichos, no que se refere a alimentação, vestuário e conforto, a fim de que o vosso filho não possa nunca sentir-se frustrado. As frustrações, como se sabe, não permitem que a personalidade se revele e torna as pessoas mais infelizes.
10ª Defendam sempre o vosso filho! Dos seus amigos, dos vizinhos, dos professores e até principalmente - da polícia. É tudo gente desprezível que apenas pretende embirrar com ele...
Copiei este texto do blog http://vizinho.blogspot.com, que visito com alguma frequência.
De acordo com um comentador anónimo, este "texto foi editado pela Polícia de Chicago, há uns anos, e depois distribuído pela população". Não sei se, por cá, isso teria algum efeito pedagógico ou se, por lá, alcançou alguns resultados... O que sei é que, de algum modo, se tem que fazer parar a delinquência (cada vez mais) juvenil, que alastra no mundo "civilizado", salvaguardando a segurança e a liberdade dos cidadãos que ainda não se tornaram delinquentes...

quarta-feira, agosto 16, 2006

terça-feira, agosto 15, 2006

Amália Rodrigues


















Amália, por Maluda

O Fado, por Amália
"O fado é saber que não se pode lutar contra aquilo que temos. É aquilo que não podemos mudar. É perguntar porquê e não saber porquê. É não deixar de perguntar e, ao mesmo tempo, saber que não temos resposta."
Posted by Picasa

segunda-feira, agosto 14, 2006

AMÁLIA RODRIGUES (1920 - 1999)


É em 1935 que, pela primeira vez, Amália aparece publicamente e canta o Fado Alcântara. Até 1938, ano em que concorre ao Concurso da Rainha dos Bairros, canta em diversos locais de fado amador, com o nome de Amália Rebordão. Em 1939, estreia-se, como fadista profissional, no Retiro da Severa e, a partir de 1940, Amália integra o elenco de várias casas de fado, é atracção em algumas revistas e também actua em outras revistas e operetas. Em 1943, começa a sua carreira internacional, actuando em Madrid, e, no ano seguinte, no Brasil. Em 1947 inicia a sua participação no cinema, tendo ganho o prémio para Melhor Actriz de Cinema com o filme Fado-História de uma cantadeira.
Durante os anos de 1949 e 1950, Amália Rodrigues canta em Paris, Londres, Brasil, Berlim, Dublin, Roma e Berna, actuando em Lisboa, unicamente em 1949, no Café Luso e no Casino Estoril.
O ano de 1951 assinala a sua primeira gravação, em Portugal, para a editora Melodia; só no ano seguinte, Amália começa a gravar para a Valentim de Carvalho.
Nas décadas de 50, 60 e 70, Amália actua quase que exclusivamente no estrangeiro.
Só em 1985 realiza em Portugal o seu primeiro grande concerto, no Coliseu dos Recreios, aí voltando em 1987 para mais dois espectáculos.
A década de 90, em que já se vislumbra o poente de Amália Rodrigues, é a década de todas as homenagens.
Acerca da fadista, escreveu Vítor Pavão dos Santos duas obras biográficas, Amália (1987) e Amália-Uma Estranha Forma de Vida (1992); Em 2005, a editora Planeta deAgostini publica a biografia Amália, da autoria de Nuno Almeida Coelho, uma obra de consulta obrigatória.
Dos variados sítios na Internet, acerca de Amália, assinalo http://www.amalia.com/ e http://amalia.no.sapo.pt/.
Posted by Picasa

domingo, agosto 13, 2006

FADOS - pautas de música




















Contra-capa de uma partitura, editada pela Casa Valentim de Carvalho, onde se publicitam os últimos sucessos de fados, com música de vários compositores:
RAUL PORTELA- Fado da Triste Feia, Fado Laura Costa, Fado dos Olhos, Canção das Perdidas e Fado do Belezas
ALVES COELHO - Fado Esperanza Iris, Fado de Portugal, Fado Anita e Fado Português
MANUEL DE FIGUEIREDO - Toada Singela Posted by Picasa

HERMÍNIA SILVA (1907 - 1993)




















Hermínia Silva foi, sem dúvida, "uma das maiores vedetas do fado".
Terá sido em 1926 que, pela primeira vez, se apresenta publicamente, no Teatro Gil Vicente; seguidamente, durante dois anos, é contratada para cantar fados, no cinema "Malacaio", no final da exibição dos filmes. Nos dois anos seguintes, canta no "Valente das Farturas", no Parque Mayer; em 1929 participa na opereta "Ouro sobre Azul", mas é em 1932 que, contratada por António Macedo, dá «os primeiros passos a sério» no teatro, actuando em fim de festa, na opereta "Fonte Santa", cantando fados. Participou em imensas revistas e algumas operetas, registando-se a sua última actuação em 1976, na revista "Cada Cor, seu Paladar". Participa também em vários filmes, nomeadamente "O Costa do Castelo", contracenando com António Silva e Maria Matos, entre outros.
O seu nome andará sempre ligado ao Teatro de Revista e ao seu estilo único de cantadeira humorística.
Nova Tendinha, de Carlos Lopes-Aníbal Nazaré e Carlos Dias, Fado Mal Falado, de Paulo Menano-Fernando Santos-Almeida Amaral e Fernando Ávila, Fado da Sina, de Amadeu do Vale - Jaime Mendes, Marinheiro Americano, de A. do Vale - A. Marceneiro, são alguns dos seus muitos fados de grande sucesso.
No 45RPM, da etiqueta DECCA, cuja capa acima se reproduz, encontram-se editados 4 outros grandes êxitos: Vou dar de beber à alegria, de Dr. Alberto Janes e Eduardo Damas, Touro de Vila Franca, Favas contadas e Anda o fado a brincar comigo, todos do Dr. Alberto Janes.
Em 13 de Maio de 1958 é inaugurado o "Solar da Hermínia", no Largo da Misericórdia, ao Bairro Alto, e pouco tempo depois passa também a explorar o Restaurante "Pôr-do-Sol", em Benavente, com espectáculos de fado aos sábados à noite e domingos à tarde. Hermínia reparte a sua actividade entre um e outro espaço, sendo certo que, quem lá ia, era para ouvir a Hermínia, embora tivesse sempre elencos de luxo.
Vitor Duarte Marceneiro publica, em 2004, "Recordar Hermínia Silva", um livro onde «reune tudo o que sobre ela conseguiu recolher, com o intuito de fazer história sobre essa mulher, que era povo, foi amada e ovacionada, mas manteve-se sempre simples e despretensiosa.»

sábado, agosto 12, 2006

BERTA CARDOSO (1911-1997)










Berta Cardoso é a fadista de referência da "época de ouro" do fado, a cantadeira que "chegou, cantou e venceu" e que foi desde logo considerada a "loucura dos fadistas". Canta pela primeira vez, em público, no Salão Artístico de Fados, acompanhada por Armandinho; o sucesso é tal que é de imediato convidada para integrar o elenco da casa, o que não vem a concretizar-se em virtude de ter apenas 16 anos. Vai, no entanto, a Espanha gravar o seu primeiro disco e em 1930 é notícia de primeira página da Guitarra de Portugal, de 30 de Outubro. Ali se refere que Berta Cardoso é "um nome consagrado", é "uma vocação que se revelou expontânea e claramente desde a sua estreia". Dotada de um estilo e de uma capacidade interpretativa singulares, Berta Cardoso tinha uma dicção irrepreensível e uma voz privilegiada, tendo ficado conhecida como "A voz de oiro do fado". A sua ascensão artística é meteórica, passando, de imediato, do anonimato a primeira figura da canção nacional.
Durante as décadas de 30, 40 e 50, tem uma notável carreira que divide entre os palcos das casa de fado e dos teatros de revista, a nível nacional e internacional; a partir da década de 60, opta por actuações mais intimistas, confinando-se quase exclusivamente às casas de fado.
Durante a sua longa carreira, Berta Cardoso criou inúmeros êxitos, tendo gravado para várias editoras discográficas, entre elas a Valentim de Carvalho, a Odeon, a Columbia, a Capitol, a Imavox... Sempre com edições esgotadas, restam alguns 78RPM e vinil, nas mãos de particulares/ coleccionadores. No mercado habitual, apenas na loja do Museu do Fado e na Discoteca Amália , se pode adquirir o CD cuja capa acima se exibe, da etiqueta Estoril, e que reproduz seis dos seus maiores êxitos: Fado Antigo, Fado Faia, Chinela, Meu Lar, Cinta Vermelha e Cruz de Guerra, sendo a letra, dos 5 primeiros fados, da autoria de João Linhares Barbosa e a letra do 6º fado, de Armando Neves.
Existe ainda, no circuito comercial, um outro CD, editado pela Movieplay Portuguesa, o nº 20 da colecção Fados do Fado, com 4 fados de Berta Cardoso: Cruz de Guerra, de Armando Neves, Meu amor fugiu do ninho e Noite de São João, ambos de J. Linhares Barbosa e Testamento, de João Redondo.
Acerca desta figura emblemática do Fado, que é Berta Cardoso, encontra-se patente uma exposição, no Museu do Fado (Largo do Chafariz de Dentro, nº 1, a Alfama), até 22 de Outubro.
Pode também visitar o sítio http://www.bertacardoso.com/

terça-feira, agosto 08, 2006

A Identidade cultural Luso-Galaica





















Uma capa de um disco de Maria do Ceo, e uma foto da fadista, em palco, acompanhada à viola por Joel Pina.
Maria do Ceo, nascida no Porto, reside na Galiza desde muito jovem, é reconhecida como embaixatriz da cultura galega no mundo, tendo sempre o fado como inspiração primordial.
O fado, que é ouvido com agrado em todo o mundo por todos os que são portugueses de alma.
Saiba mais acerca de Maria do Ceo, visitando o sítio http://www.mariadoceo.com/

domingo, agosto 06, 2006

Domingo Fadista



















(in Sábado GPS,de 03 a 09 AGO 2006, ed. Sul)
Ir ver a exposição sobre Berta Cardoso, no Museu do Fado e, antes ou depois, visitar o sítio http://www.bertacardoso.com

quarta-feira, agosto 02, 2006

O FILME




















BERTA CARDOSO participa no filme "O Feitiço do Império", de António Lopes Ribeiro, que estreou no Eden (Lisboa) a 23 de Maio de 1940. Posted by Picasa

terça-feira, agosto 01, 2006

FADO DE LISBOA

















acrílico s/ tela, Pedro Charters d'Azevedo Posted by Picasa

Minha mãe nasci fadista
(H. da Câmara - H. Sobral)

Minha mãe nasci fadista
Mora fado no meu peito
Não se canse, não insista,
Não há ninguém que desista
Quando vive satisfeito.
Não lhe dê maior cuidado
Este modo de cantar
É um destino marcado
Quando sofro canto o fado
Antes isso que chorar

Quem chora dá a saber
A má sorte que lhe cabe
Neste meu jeito de ser
Posso cantar por sofrer
Não o digo e ninguém sabe.
Fado é triste solidão
Fado existe em todos nós
Cantar fado é um condão
É dar fala ao coração
E viver com essa voz.

A cantar vivo contente
Tenho a sorte que Deus quis
Quando o fado é permanente
Dá tristeza a quem o sente
Mas quem o canta é feliz.
Minha mãe, nasci fadista
Mora fado no meu peito
Não se canse, não insista,
Não há ninguém que desista
Quando vive satisfeito.

No sítio http://www.industrias-culturais.blogspot.com/, uma reportagem acerca do Museu do Fado e da exposição temporária que lá se encontra, sobre Berta Cardoso.