sábado, junho 14, 2008

FERNANDO FARINHA - "Canção de Lisboa"



















Em 1934, era publicada esta letra do Fado "Chic", da autoria de Luiz da Silva Gouveia, do repertório de Joaquim Pimentel, cantada na música do "Fado do Estudante" do filme "Canção de Lisboa" (1933).
Numa colectânea de fados editada em 1999, vem este fado indicado como tendo letra de Fernando Farinha, que também o canta, e música de Jaime Mendes (!?).
VÍDEO DE HOMENAGEM
video
A seguinte nota biográfica acerca de FERNANDO FARINHA é daqui http://www.macua.org/biografias/fernandofarinha.html
"Talvez poucas pessoas saibam que esta figura tão típica da cidade de Lisboa e da sua memória nasceu, afinal, no Barreiro, em 1928. O seu pai, barbeiro, decide tentar a sorte na capital e, com 8 anos, o pequeno Fernando vem viver para o bairro do Bica.No ano seguinte canta pela primeira vez em público, num concurso entre bairros. Triunfante, com alcunha logo ali ficou: o "Miúdo da Bica". Com 11 anos, por morte o pai, torna-se profissional do fado, para o que foi precisa licença especial. Apoiado pelo conhecido empresário José Miguel, vai ganhar 50 escudos por noite no Café Mondego. Pela mão de Fernando Santos, jornalista e autor, entra ainda criança no Teatro de Revista (Boa Vai Ela), na qual se estreia, igualmente, Laura Alves. Aufere 100 escudos por noite. Assim ampara a família.O percurso das casas de fados será o seu destino nos anos que se seguem: Retiro da Severa, Solar da Alegria, Café Latino. Com 23 anos vai pela primeira vez ao Brasil. Aí estará durante quatro meses, actuando nas rádios Tupi e Record, de São Paulo. Ao longo de toda a década de cinquenta internacionalizará, progressivamente, a sua carreira junto das prósperas comunidades portuguesas, sobretudo do Brasil. Em 1957 é nomeado "A Voz mais portuguesa de Portugal", pela Rádio Peninsular.Presente na televisão desde os seus alvores, Fernando Farinha participa no programa Melodias de Sempre.A década de sessenta é o culminar da sua popularidade. Segundo classificado em 1961, triunfa em 1962 como Rei da Rádio. No ano seguinte vence o primeiro galardão "Disco de Ouro", à frente de Calvário e de Tudela. Em 1963 ganha o Oscar da Casa da Imprensa para melhor fadista. Participou nos filmes O Miúdo da Bica e Última Pega.Continuou a sua carreira nas décadas seguintes, actuando sobretudo para as comunidades de emigrantes. Uma das suas facetas menos conhecidas é a sua capacidade como letrista e poeta popular.
PRINCIPAIS ÊXITOS:Sou do Povo, Deus Queira, Belos Tempos, Dias Contados, Menina do Rés-do-Chão, Fado das Trincheiras, Eterna Amizade, Guitarra Triste. "

4 comentários:

Anónimo disse...

Quando o fado era cantado
pelas tabernas de Alfama
ninguém diria que o fado
viesse a ter boa fama.


Era a canção
da bebedeira e do calão,
da rufiagem, capelão
e dos fadistas de samarra
e mal diria
a Madragoa e a Mouraria
quem em Lisboa inda haveria
assim tal gosto pela guitarra.


Adeus tardes de toiradas
com guitarras e cantigas
adeus noites bem passadas
com bom vinho e raparigas.

Hoje os fadistas
são tratados por artistas
e aclamados nas revistas
com ovações delirantes.
Vestem do bom
e por ser chique e ser do tom
já vão à tarde ao Odeon
se as matinés são elegantes.

Hoje o fado já não tem
a rufiagem por tema.
Poliu-se, já é alguém
e até já vai ao cinema.

O fado agora
é pedido a toda a hora
e ouvido p?lo mundo fora
com alegria e agrado
e há-de chegar |
a Hollywood e ter lugar, |
pois não se ilude quem pensar | (2x)
que há-de ser grande o nosso fado. |
Retirado do site
letrasdasmusicas.com.br
letras das músicas: fernando farinha letra da música

Olá!Viva
É realmente impressionante!
é igualzinho!Mas q. falta de rigor é este?!
Como é possível que ninguém repare neste atropelo à verdade? Não sei quem foi Luiz da Silva Gouveia provavelmente um letrista esquecido, mas não há desculpa para a usurpação de autoria.Não esperava isto do Fernando Farinha.
Fazes bem em denunciar estes casos.
Continua. Força.
Abraços
Eu

MLeiria disse...

Não creio que o F. Farinha tenha a ver com isto; é, provavelmente, um erro editorial, como alguns outros para os quais tb. já chamei a atenção...
O Luiz da Silva Gouveia é um importante letrista do início do séc. XX, autor, por ex., dum fado de grande sucesso do repertório de Berta Cardoso, que começava assim
"Quem bater à minha porta / Numa hora triste, incerta / Não vá com a esp'rança morta / Bater à porta da Berta".
A net está cheia de informações incorrectas, como essa letra, no site que indicou, mas que tem a sua desculpa... vai-se lá duvidar da informação dada num disco!
Eu até já encontrei a "Lágrima" cantada pela Berta Cardoso que nunca a cantou, muito menos a teria gravado!....

Anónimo disse...

Muito obrigada pela informação e correcção!
Sempre pedagógica!
bjs
Eu

Okawa Ryuko disse...

Haja quem faça muito pelo FADO!