quarta-feira, março 06, 2013

"LOUCURA"


D.L., 1933

Gostaria de não me tornar enfadonha por vir lembrar, uma vez mais, esse "rapaz, pálido e romântico, de camisa negra à italiana, que pouco fala e aparece, sem camaradagens que o exaltem, nem amigos que o façam triunfar", mas, se o faço, é porque ele "merece, como poucos, a classificação de artista, hoje tão banalizada e desfigurada."... Um artista polimórfico, um esteta, um solitário.
"A sua alma profunda, de silenciosa sensibilidade", o seu talento, legaram-nos fados que continuam a ser verdadeiros êxitos e, se é possível dizê-lo, autênticos ex-libris fadistas.

Dos que já aqui lembrei, volto a recordar o "Fado da Loucura", de que Mariamelia, sua irmã, foi a criadora e gravou, fado cuja letra é de Frederico de Brito, mas cujo refrain é de Júlio de Sousa, igualmente autor da música. Como também já referi em verbete anterior, este fado veio a tornar-se um enorme êxito, não pela voz da sua criadora, mas pela de Berta Cardoso, que "fez do «Fado da Loucura» uma verdadeira loucura" e, por isso, lhe chamaram "A loucura dos fadistas". Depois dela, muitos outros/as cantaram esse fado e cantam ainda. Relembremo-lo, porém, nas interpretações de Lucília do Carmo e de Fernando Maurício.











Ora acontece que, dado o espantoso êxito obtido, Júlio de Sousa terá escrito, para Berta Cardoso, outra letra para esta sua música em que a fadista era exímia. Berta foi, pois, não só a grande especialista do Fado da Loucura, como igualmente a criadora desse fado com a letra que muitos fadistas também têm cantado e gravado e que aqui vamos lembrar interpretado por Mariza e por Carlos Zel




Depois, e à semelhança do que acontece com muitos outros fados, outras letras incorporaram a música do "Loucura"; por exemplo, o Britinho, co-autor da letra original, como já referi, escreve, para a Mª Alice, a letra "Vida Triste", que podem ouvir aqui.

Mas, a verdade é que, até hoje, quando se fala no "Loucura" ou no "Fado da Loucura" se associa de imediato a este fado as letras que Júlio de Sousa escreveu, seja a sós, seja em co-autoria. E interessante é verificar que, quer o "É loucura...", quer o "Sou do fado...", têm vindo a fazer parte do repertório de grande parte dos fadistas e, mesmo quando isso não acontece, todos acabam por ceder à tentação de cantá-lo, como se fosse, digamos assim, um fado obrigatório. De facto, haverá letra que melhor apresente um/a fadista ?

Sou do fado como sei, / Vivo um poema cantado / Dos fados que eu inventei.

«É Loucura» oiço dizer / Mas bendita esta loucura / De cantar e de sofrer

Assim parece ser, mesmo para os estrangeiros que cantam o Fado



(Verbete de 20.05.2011 reeditado)

7 comentários:

jaume disse...

...mas ponho à alma a cantar, e as almas sabem escutar-me...
é isso mesmo.
Lindo e interessante o post. Porque será que um/uma dos/das fadistas que não conseguiu que a minha alma o/a escutase.
Um beijinho desde Barcelona.
jaume

Fadista disse...

Obrigada, Jaume. Ora, deixa-me adivinhar qual é esse/a fadista...:-)
Bjinho
O.

Lua disse...

Muito obrigada pela informação dada. Queria saber quem seria o autor da letra deste fado e encontrei o seu blogue.
Encontre um fadista que interpreta, ma minha opinião, maravilhosamente o "loucura" na versão "Sou do fado"... que vou postar no meu blogue cujo vídeo que deixo aqui para, se assim o entender, juntar ás outras que já lá estão http://youtu.be/zcyIWwi9Arg

fernando disse...

Eu acho que estamos a falar de uma loira....nâo é?

Fadista disse...

Por supuesto, Fernando
Contudo (não sei se perceberá a graça) mais apropriadamente eu diria que "loira sou eu" :)...

Janela disse...

Muito obrigado Fadista pelas informações: cada vez lembrar deste fado é para mim o momento para que surgem grandes e profundas emoções.

Sou estrangeiro e já tentei muitas, muitas vezes de arranjar a pauta deste maravilhoso fado em todos os lados, também em Portugal como fora, mas sempre infelizmente sem sorte.

Escrevo aqui esta mensagem primeiramente como agradecimento a Fadista pelo post, e também na esperança que alguém possa talvez me ajudar na procura desta partitura, que seja comercial ou não. Cada informação será verdadeiramente muito apreciada.

Pedindo desculpas a todos para o meu português, abraços.

Loreno Hagedorn disse...

Boa tarde.

Em entrevista, quando ainda vivo, o próprio Júlio de Souza diz textualmente: "– Sim, eu cultivo o Belo. o (...) “Fado da Loucura”, de que minha irmã foi criadora, também lho ofereci." (...)UP: GP/1930/Lisboa/PT.
E ao que me consta Mariamélia de Souza irmã de Júlio, faleceu solteira em Lisboa aprox. 1981, em seu apartamento à Marques Sá da Bandeira. mantive com ela correspondência até pouco antes de seu falecimento